terça-feira, 17 de outubro de 2017

Dúvidas

Dúvida da semana: porque é que aquela frase ou ditado ou lá o que era dizia ‘caracol, caracol, põe os corninhos ao sol’ se eles só saem dos seus esconderijos quando há chuva?

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Novo design

Os mais atentos vão reparar que as cores do cabeçalho estão diferentes. Não que não gostasse das outras, mas tento sempre deixar o blog o mais work friendly possível, para que tanto eu como os leitores o possam abrir no trabalho, caso desejem, sem grande alarido.
Acho que assim com menos cor está mais sóbrio, mas estou sempre aberta a outras sugestões.

PS: é só no meu pc ou também têm de fazer scroll para os lados para apanhar o blog todo?

PS2: julgo que era do meu pc ter zoom, tenho sempre zoom para ver melhor. Se puser a 100% já me parece bem, mas se estiver mal por favor avisem para arranjar.

PS3: de qualquer forma, ajustei um pouco a largura para quem, como eu, gosta de usar zoom, não ter de estar sempre a fazer scroll para os lados.
Hoje não estou a conseguir concentrar-me no trabalho. Estou a ler de forma obsessiva as notícias todas sobre os fogos, as actualizações, as declarações dos políticos, as teorias, os vídeos que as pessoas partilham, o número de vítimas mortais, todas as casas, florestas, fábricas e tudo o resto que ardeu e arde, e estou sem palavras suficientes para exprimir a minha revolta.
Não quero fazer disto um caso político de direita vs. esquerda, e sendo eu completamente anti-esquerda, a minha posição naturalmente é parcial, mas caramba, não há quem cale e afaste do poder estas pessoas que só debitam disparates em público e que são completamente incompetentes face a tragédias? Eles próprios assumem que não bastou uma tragédia (Pedrogão Grande) para aprenderem, precisam de mais tempo para ler o relatório, dizem eles completamente sem vergonha.
Eu sei que não é culpa de ninguém o tempo que faz, as condições propícias para a propagação dos incêndios, e até posso acreditar na teoria de isto ser tudo orquestrado, mas se eles próprios acham isso, não era de estarem mais bem preparados?
Não há memória de um ano como este. Tivemos dezenas de mortos no fogo de Pedrogrão Grande há uns meses e ontem outra tragédia, menos vítimas mortais para já, mas em extensão e danos provavelmente muito pior e eu só consigo pensar 'e se fosse eu?' e não consigo sequer imaginar a aflição, a revolta, a frustração, o medo. Aquele mapa de Portugal com os pinos vermelhos a assinalar os fogos activos provoca-me arrepios.
Nem se pode esperar que isto tudo sirva de lição porque, como já vimos, não serve. Assim sendo, e se fosse um partido de direita nestas condições seria absolutamente igual, espero que os 'políticos' e restantes boys incompetentes no poder tenham uma réstia de vergonha na cara e se demitam (ou os demitam, não interessa muito, desde que vão embora) para dar lugar a pessoas mais capazes. Não interessa o partido, é só preciso serem mais capazes.

Vómito. Vómito infinito


Vigo



Vigo também está a arder. Uma amiga minha que mora no centro da cidade, perto do Castro, um parque urbano que ardeu, também passou uma noite má, com as malas prontas para fugir caso fosse preciso. Tudo muito triste.

Sem comentários


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Gatinhos

Gato preto numa sexta-feira 13. É aquela minha teoria, uma superstição anula a outra, como nas duplas negativas.
Boa sexta para todos!



quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Quem nunca

As mães ao telefone são todas iguais. Falam, falam, falam, de coisas irrelevantes muitas vezes, e não ouvem nem deixam falar. Que atire a primeira pedra quem nunca tirou o telefone do ouvido à espera que elas se calassem para finalmente falar.

Sugestão para gulosos

Ontem fui ao Ikea à hora de almoço e aproveitei e almocei por lá. Nunca tinha almoçado lá no restaurante. Que quantidades industriais de comida que eles deitam! Comi almôndegas vegetarianas com espinafres salteados e batatas fritas. Só almôndegas tinha dez! Eu em casa como cinco e já fico cheia. Os espinafres eram assim um monte gigante e as batatas fritas tive de pedir para pararem de deitar no prato. Um exagero. Eu, que como praticamente até se ver comida ao fundo da garganta, tive de deixar comida. Não consegui, era muita coisa. E este prato gigante custa 4 euros. Para quem gosta de comer muito (e bem, a comida estava bem confeccionada), é o sítio para se ir!

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Actualidade

http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/governo-portugues-apela-a-preservacao-da-unidade-em-espanha-219173


Eu gostava de saber se os outros governos também fazem 'apelos' quando se trata de situações em Portugal, ou se é só parolice típica de português.

Gostos não se discutem

As coisas de que eu gosto.



Velas (giras).






Para todos os idiotas que não querem saber

Queria só mandar aqui publicamente à merda todas as pessoas que, sabendo da seca que o país está a passar, continuam a ligar a rega todos os dias sem excepção, alegremente.
Conheço uma pessoa que faz isso, mesmo depois de eu ter visto os seus aspersores a regarem o seu relvado extenso, e lhe ter dito que estamos em seca e que há sítios em que as populações já têm de ser abastecidas com camiões cisternas, que não têm água para dar aos animais, em que as torneiras nãio deitam água durante o dia, etc. Mas ele não quis saber, aparentemente. É muito bom ser-se menino da cidade e não querer saber dos problemas dos outros que, para já, não nos afectam.

Para começar bem


Hoje distraí-me enquanto infundia o meu chá de manga e morango e acabei com um chá de hibisco. Raios, odeio hibisco! (para quem está atento, eu de facto não compro chás que tenham hibisco, mas este foi uma amiga que me trouxe de Inglaterra)

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Depois do apocalipse, vão sobrar as baratas e os arrumadores

Com o desenvolvimento da tecnologia nos carros para o estacionamento, seja com sensores e sinais sonoros, câmaras ou até aqueles sistemas mais completos de estacionamento assistido ou automático, seria de prever que a 'profissão' (uso livre do termo) de arrumador de carros estivesse para ser extinta rapidamente. Nós todos queríamos que eles se extinguisse rapidamente, aliás. Mas eles são resistentes como as baratas e não caem nessas tangas das modernices. Vão ajudar, sim, nem que os condutores não queiram. Nem que atrapalhem mais do que ajudam. Isso sim, é resiliência.

Calma, afinal há países menos desenvolvidos do que Portugal

No domingo à noite estava jantar na baixa, numa esplanada. Estava calmo, era domingo à noite, não anda muita gente a passear, alguns locais e alguns turistas apenas. O camião do lixo parou para despejar um daqueles contentores grandes, subterrâneos. Aqueles camiões que têm uma espécie de grua que pega no saco do lixo e o sobe e despeja no camião. Não imaginam a quantidade de gente que se juntou para ver o lixo a ser despejado. Pessoas a tirarem fotos e/ou a gravarem vídeos! As pessoas vieram não sei de onde e juntaram-se todas à volta do camião do lixo, um espectáculo pelos vistos bastante interessante. Por momentos, quase imaginei que nenhum daqueles pobres turistas vive num país civilizado onde há recolha de lixo. Que o lixo do país deles se acumula nas ruas e vão lá os senhores à mão limpar tudo, sem recurso a camiões ou maquinaria. Como é que uma cena tão simples como um camião a despejar o lixo pode despertar tanta curiosidade e admiração? Muito bizarro.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

A felicidade está nas pequenas coisas

E hoje, para ser diferente, fui tomar o pequeno-almoço ao café, para vir mais animada para o trabalho. É que não basta vir trabalhar numa ponte, ainda tenho mesmo de trabalhar a sério, porque tenho um prazo para cumprir. Grrrrrrr.


Dia Mundial do Animal 2

Como prometido, e para alegrar o dia dos pobres coitados que hoje tiveram de trabalhar, como eu, ficam aqui fotos dos animais todos que andam lá por casa.


Os três dos costume:







  
 



Mais o gatinho Lopes, uma adição recente, que ainda não se sabe se é temporária ou permanente.





O que interessa é que eu acho que tiveram todos um bom dia do animal, como têm todos os dias aliás. Quem me dera a mim ter a vida boa destes animais!

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Dia Mundial do Animal

Apesar de ser um cliché, não queria passar o dia sem felicitar todos os nossos amiguinhos, que tanta alegria nos dão - a maior parte do tempo, vá, que às vezes também só me apetece chorar.
Hoje não tenho mesmo tempo para seleccionar fotos, mas amanhã (well, sexta, provavelmente, que amanhã é feriado) ponho fotos dos amiguinhos todos (e são bastantes!).



Razão pela qual tenho mesmo de tomar banho de manhã

Há manhãs que acordo assim.


terça-feira, 3 de outubro de 2017

Mais ainda


E pessoas que não tomam banho? Conheci ao longo da minha vida pelo menos cinco pessoas que não tomam banho e que têm agarrado a si aquele mau cheiro característico de odor corporal que deixa os outros mal dispostos. Mau cheiro e mau aspecto, cabelo oleoso, dentes amarelos de sujidade, o pack completo. Pah, não entendo como as pessoas podem ser tão porcas. A chatice é quando temos de trabalhar com estas pessoas. Há uns anos tive o azar de ter um colega assim a trabalhar na secretária ao lado da minha durante uns meses e foi uma tortura. Tinha de aguentar o mau cheiro o dia todo. E quando ele falava para mim, eu tinha de conter a respiração para não levar com o mau hálito em cima. Ainda por cima o estúpido tinha o hábito de virar-se para o meu lado quando espirrava, ficava piursa com isso! Não consigo compreender o que vai na cabeça destas pessoas. São porcas e desistiram da vida. Só pessoas que desistiram da vida é que não têm cuidados básicos de higiene, não é?

Há dois tipos de pessoas

As que tomam banho de manhã e as que tomam banho à noite. Eu prefiro de manhã. Para além de não poder sair de casa com o cabelo como acordo (uso franja e acordo com o cabelo todo no ar), ajuda-me a acordar e a sentir-me fresca para um novo dia. Nunca conseguiria sair de casa para vir trabalahr sem tomar banho. Mesmo nos dias em que tomo à noite (nos dias em que faço exercício), tomo na mesma de manhã, até porque à noite não lavo o cabelo. E vocês, que tipo de pessoa são?

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

iOS 11

Preciso de me queixar um bocado do iphone (com letra minúscula para enxovalhar). Antes eu tinha um iphone 5. Comprei a um amigo por uma bagatela mas já vinha também com bastante uso, apesar de estar como novo. O que mais se notava era a bateria, que nunca durou muito e continuou a perder autonomia ao longo do tempo. Usei o iphone um pouco mais de um ano e no fim já tinha de carregar a bateria duas vezes por dia, em certas alturas. Achei que este esforço não compensava, tinha de andar sempre preocupada com isso, e então um outro colega queria vender o seu iphone 6 e eu comprei-o. Os meus problemas deixaram de o ser, porque agora a bateria durava-me um dia inteiro sem problema, e mais até. Deixei de me preocupar com os carregamentos, fazia um uso despreocupado do telefone. Até semana passada, com a malfadada actualização para o iOS 11 que veio trazer-me de novo problemas de bateria. Eu sei que toda a gente se queixa e até já saiu um bug fix, mas este fix não fix nada. É como se tivesse o meu iphone 5 de novo, tenho de andar sempre em modo de poupança de bateria. Se chegar à noite com alguma carga tenho de o deixar a carregar sempre. Estive a ler alguns artigos sobre isso e desliguei os serviços de localização e o background app refresh para poupar a bateria. Para além disso, este novo SO não desliga completamente o wi-fi nem o bluetooth no menu de atalho, por isso tenho de entrar sempre nas settings para desligar completamente estes dois modos, para também poupar bateria. Que pesadelo que é este iOS 11! Eu até estava com bastantes expectativas porque já tinha lido que iam acrescentar o atalho dos dados, até agora inexistente. Mas deram-nos esse e tiraram os outros dois, por isso ainda está pior. Já estive a ver se dá para desinstalar mas é preciso repôr as definições de fábrica, perdendo tudo, o que implica que tenho de fazer backups, voltar a configurar tudo, instalar tudo, etc. Eu estava a tentar evitar isso mas visto que este bug fix não resolve nada parece-me que não tenho outra opção. Eu percebo a Apple, eles querem é que um gajo esteja sempre a comprar os seus telemóveis mais recentes e a estourar dinheiro infinito com eles. Raios os partam a todos!

Actualidade

Já que as eleições são o assunto do dia, eu não me quero alongar muito e vou dizer só que temos os políticos que merecemos.

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Gostos não se discutem

As coisas de que eu gosto.

Jasmim.



As maravilhas da língua portuguesa

Adoro a palavra pândego. A sonoridade é gira. O significado é interessante. E leva-me sempre para o imaginários dos livros de Eça de Queiroz. Pândego, pândego. Muito engraçado. E gosto especialmente desta palavra aplicada para enxovalhar políticos. Exemplo: Este João Galamba é um pândego!

Comentadores de bancada

Sinto uma certa pena dos bloggers e outros ‘escritores’ de andar por casa, por exemplo do facebook, quando fazem posts e vão lá as pessoas comentar e deturpam completamente o sentido dos posts. Ou então quando escrevem um post que era suposto ser engraçado, e os leitores vão lá explicar a piada nos comentários ponto por ponto, como se fossem atrasados mentais, tirando toda a graça da coisa. Bons leitores são quase tão difíceis de encontrar como bons escritores. Felizmente os leitores do meu blog, pela amostra dos comentários que recebo, são todos inteligentes!

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Os tão falados livros para meninos e meninas


Já que anda toda a gente a falar dos livros da Porto Editora para meninos e para meninas e eles até foram postos de novo à venda e este blog até é meu e eu posso dizer o que eu quiser, aproveito para dizer que sou contra esses livros. Não analisei os livros nem preciso de analisar para ser contra eles. Nem que o conteúdo fosse exactamente igual e as capas fossem diferentes, sendo azul para menino e rosa para menina, eu ia ser contra esses livros. Ou são todos rosas ou são todos azuis ou são todos amarelos ou são todos verdes ou então há livros de todas as cores do arco-íris e cada um escolhe a cor que gostar mais. Essa treta do azul ser para meninos e o rosa para meninas mete-me nojo. É uma coisa muito simples e básica mas é por aí que se começa bem cedo a diferenciação dos géneros. Começa-se por dizer às meninas que têm de usar rosa e facilmente se escala para ensinar-lhes que têm de casar e ter filhos e tratar da lida da casa. Ok, estou a exagerar, mas dá para perceber a ideia. Ainda há pouco tempo aconteceu uma situação que me lembrou disso. Estava em casa de uns amigos que têm um filho de 3 anos. O F. tinha um isqueiro rosa e estava com ele na mão. O miúdo perguntou-lhe, assim muito confiante: ‘esse isqueiro não é teu, pois não?’ Eu fiquei logo muito curiosa e perguntei-lhe porque é que ele achava que o isqueiro não era dele e ele respondeu que era porque era cor de rosa, que era de menina. Claro que eu lhe disse que não era assim. Que o facto de o isqueiro ser cor de rosa não implica que seja de menina. Que os meninos podem usar azul ou rosa e que as meninas também podem usar azul ou rosa, usam o que gostarem mais. Não me pareceu que ele tivesse ficado convencido. Isto porque já deve ter sido muito massacrado em todo o lado com esse cliché. É que nem que não sejam os pais em casa a ensinar essas coisas, é na escola, são os avós, os tios, os conhecidos, toda a gente massacra as crianças com esses clichés de género. E claro que depois é muito normal que cresçam a achar que quem usa cor de rosa são os gays. São coisas que à partida parecem inofensivas mas que se podem transformar facilmente em preconceitos mais tarde e criar limitações. Por isso, sim, sou contra os livros para meninos e para meninas da Porto Editora.

OCD

Vou partilhar um truque que uso convosco. Quando vou a casas de banho públicas, quando tenho de descarregar o autoclismo, pego sempre num bocado de papel higiénico e uso-o para não tocar no botão. Penso na quantidade de pessoas com mãos sujas que o deve ter feito antes de mim e não quero tocar nisso. Uma vez li em algum sítio que nas casas de banho dos homem isso era o cúmulo do nojo, porque todos os homens mexem no autoclismo depois de tocarem na pila! Ahahah!

Gatinhos


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

First world problems

A bateria do iPhone com o novo iOS gasta-se ao dobro da velocidade. O meu relógio Garmin não está a sincronizar as minhas corridas com a app do telemóvel. O Spotify não me está a deixar ouvir músicas em modo offline, apesar de eu ter feito download das músicas todas para o telemóvel para as poder ouvir sem usar a internet. Só problemas.

Ignorance is not bliss


Fico espantada e chocada ao mesmo tempo como ainda há mulheres, jovens e adultas, com estudos, que não sabem o que é o HPV ou que não fazem citologias (ou papanicolau, como é vulgarmente chamado) frequentemente ou então que até fazem mas não sabem para quê, não sabem que é para detectar o HPV numa fase inicial, quando ainda não apresenta perigo. Julguei que em 2017 isso já seria assim uma informação ao alcance de todos. É verdade que eu tive contacto com isso quando uma amiga próxima detectou que tinha HPV, e por isso acabei por, de alguma forma, ter informação que se calhar não teria caso isso não tivesse acontecido. Mas já antes disso, eu ia à ginecologista frequentemente e sabia para que servia o exame. Por isso acho estranho, triste e perigoso, sobretudo, que outras mulheres tenham ainda tanto desconhecimento em relação a este assunto.

Incongruências

Seria de imaginar que um povo que ingere tanta cafeína como o povo português fosse menos preguiçoso e inerte e se mexesse mais.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Dúvidas


Dúvida da semana: 'to the moon and back', ou 'até à lua' na versão portuguesa, é a nova medida hipster, assim ao nível dos sistemas métrico ou imperial?

Drama queen

Voltei ontem ao trabalho. Que dia. Trânsito infinito em todo o lado causado por 3 ou 4 acidentes na A3. E mais 3 ou 4 acidentes fora da A3 que eu também vi. Quem é do Porto deve ter percebido que ontem era um daqueles dias infernais. Eu também já devia saber que não se volta ao trabalho numa segunda-feira. Mais vale perder mais um dia de férias e voltar numa terça. Que ainda tem a vantagem de assim ser só uma semana de 4 dias e acabar muito mais rápido. Cheguei ao escritório às 10h30. Foi uma manhã curta, mas a tarde foi infinita. Nunca mais acabava, que tortura. Fui ao almoço a casa para fazer reset e fiquei um pouco mais bem disposta. Só coisas a acontecerem enquanto eu estive de férias. Mails sobre tudo e sobre nada. Demasiadas coisas para lidar num dia só. À noite tentei acabar um livro que estou a ler, faltavam-me só cerca de 30 páginas, mas quase adormeci em cima do livro e desisti. Percebi que ontem não era mesmo o dia. Mas tinha terminado, enfim. Hoje já consigo falar disto sem ficar transtornada. Ontem apetecia-me morrer. Cenas.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Ódios de estimação


Adoro posts e comentários a cascar no Nilton <3






Reboques

É impressão minha ou quando chamamos um reboque para transportar o nosso carro, os senhores tentam sempre fazer-nos mudar de ideias? Fiquei com essa impressão das poucas vezes que precisei.


-O pneu está furado, é preciso levar para a oficina para meter um novo.




-Troque aqui o pneu.
-Não tenho pneu suplente, tenho kit.
-Então use o kit.
-Está fora de prazo, não posso usar.
-E não consegue ir assim até lá?
-O pneu já está todo roto e está a começar a estragar a jante.
-Mas não vale a pena levar o carro à Norauto só para mudar o pneu. Ande em três rodas. (esta última frase é imaginação minha, mas de certeza que eles pensam isso)






Se eles já vieram até ali, porque não querem continuar o serviço e levar o carro para onde ele tem de ir? Querem sempre arranjar uma solução temporária para não terem de transportar o carro. Só se eles receberem igual das companhias de seguro, quer transportem o carro ou não, a partir do momento que se deslocam, é a única explicação que encontro.

Youtube faz de conta


Share de músicas no facebook. Qual é o objectivo? As músicas estão no youtube, disponíveis para toda a gente as ouvir quando quiser. Será que é para as pessoas mostrarem ao mundo as suas músicas preferidas, e assim ganharem mais respeito dos seus pares? Ou então é uma espécie de favoritos. Metem aquilo no facbook e quando querem ouvir vão lá, em vez de irem procurar noutro site qualquer?
‘Ainda bem que o Roberto partilhou esta música, não tinha mesmo forma de ouvi-la noutro sítio, vou já ouvir!’ said no one ever.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Luxos II

E o preço dos CD de música, que não baixa nem por nada? Desde que se começou a usar CDS que custam cerca de 15 euros e não há maneira de baixar. Eu até gostava de ter muitos, mas por estes preços só dá para comprar mesmo os que são especiais.

O segredo do Gerês


O Gerês para mim é um mistério. Eu gostava de ir ao Gerês, mas não sei para onde se vai. Aquilo é gigante e eu não sei quais são os sítios giros para se visitar. Eu conheço várias pessoas que adoram o Gerês, que passam férias no Gerês. Mas onde especificamente? Eu fui lá duas vezes. Uma vez fiquei numa casa lá no meio do monte, sem nada de especial à volta. Outra vez fiquei numa casinha de turismo rural, numa aldeia lá perdida, onde também nada acontecia. É para estes sítios que as pessoas vão ou vão para sítios diferentes? Já ouvi falar em cascatas e praias fluviais, mas onde é que isso fica afinal?? Alguém que me explique a situação Gerês, por favor!

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Gostos não se discutem

As coisas de que eu gosto.





Lápis, canetas e material de escritório no geral.








The right words


Vocês também conhecem aquelas pessoas que dizem sempre a coisa certa, na altura certa? Quando estamos em baixo ou quando estamos contentes ou preocupados ou nervosos, aquelas pessoas que têm sempre as palavras certas, que sabem sempre o que dizer para nos ajudar? Eu conheço pelo menos uma pessoa assim, e morro de inveja de não ter essa capacidade.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Safety first

E aquelas embalagens com fecho de segurança para crianças que nem os adultos conseguem abrir? Raios partam!

Dúvidas

Dúvida da semana: hoje em dia, para se ser fixe é preciso ter um SUV?

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Gatinhos


Desconversando


No dia nacional de Andorra, Marcelo Rebelo de Sousa desceu em passo acelerado um caminho ao longo de uma encosta, com pedras soltas, até ao Santuário de Nossa Senhora de Meritxell, onde assistiu a uma missa em honra da padroeira do principado.
"Agora viramos à direita, coisa que eu em Portugal já não faço há algum tempo", observou a certa altura, acrescentando: "De vez em quando faço, mas a direita não nota. Eu quando viro à direita em Portugal, a direita está distraída a bater na esquerda, não nota. Em vez de aproveitar, não nota".
Antes, quando lhe sugeriram que se aproximasse da beira da ravina para tirar uma fotografia, o chefe de Estado declarou que essa sugestão só podia partir de alguém "feito com a oposição" e interrogou: "Quem será a oposição ao Presidente que ama todos os portugueses?".
Depois, deu a resposta: "Não há oposição. Tem de ser alguém muito distraído. Com quotas de popularidade de 80 e tal por cento, tem de ser alguém muito distraído".
À conversa com o ministro do Interior de Andorra, Xavier Espot Zamora, Marcelo Rebelo de Sousa falou do início do seu percurso político e considerou que "a política é difícil em todo o lado e, sobretudo, é cada vez mais difícil".
No início deste percurso, o Presidente da República encontrou portugueses, entre os quais uma jovem enfermeira que lhe pediu "para lutar pelos enfermeiros em Portugal". O Presidente da República retorquiu: "Vou recebê-los, vou recebê-los", numa referência aos encontros que terá na próxima semana, no Palácio de Belém, com as ordens profissionais ligadas à saúde.
No final, já no Santuário, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a encontrar emigrantes e, enquanto tirava sucessivas fotografias com os portugueses, comentou a situação nacional declarando: "Aquilo está a crescer, a crescer, a crescer. Turistas, turistas, turistas".


Eu não sei se isto é verdade, ipsis verbis. Mas se é, ele anda a beber...?

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

República das bananas

Pena suspensa para mulher que afogou filho de 6 anos no Douro

Os factos remontam a 2009, quando a arguida “decidiu matar o seu filho de 6 anos de idade e suicidar-se de seguida”. Condenada por homicídio a oito anos e três meses de prisão, viu a sentença confirmada pela Relação e, agora, alterada pelo Supremo.


De facto, o crime compensa em Portugal.

Luxos


Sou eu a única a achar que os preços da mobília de exterior são fortemente inflacionados? É um abuso, é tudo super caro, seja onde for (Leroy, supermercados, Ikea, etc.). Vi hoje um mupi com um conjunto de jardim composto por duas cadeiras (super fatelas!) e uma mesa e custava 95 euros. Se quisermos alguma coisita decente nunca menos de 200 e tal. Aqueles conjunto de um ou dois sofás e uma mesa nunca custam menos de 200 e tal euros, e isto os mais baratos. Facilmente isso vai para os 300 ou 400, e ainda de gama média. Se quisermos bom material, já temos de desembolsar quantias bem consideráveis, de 500, 1000 ou mais euros. Já vi vários conjuntos de 1000  e tal euros, mas de facto nota-se que são bons e grandes e confortáveis e tudo. Não sei se as lojas assumem que quem tem espaço exterior é rico e pode pagar isso, mas não, decididamente não.

Frustrações


Hoje, devido a uma problemática recente, vou expor aqui uma grande frustração minha de há muitos anos. É nunca conseguir ir a concertos das bandas que eu gosto. Comecei a gostar de metal cedo e nunca tive amigos que também gostassem. Há uma ou outra banda que lá vou arranjando companhia (Moonspell por exemplo, arranjo sempre) mas para outras bandas menos conhecidas e mais alternativas ninguém gosta/conhece/está interessado. Então sempre que há concertos eu fico super triste porque nunca arranjo ninguém para ir e nunca consigo ver as bandas de que gosto.
Agora aproximam-se concertos de Moonspell, Lacuna Coil, Epica e Therion. Para Moonspell tenho companhia, para Lacuna Coil também arranjei por milagre, mas para os outros dois nada. E eu queria mesmo ir ver. Estava a pensar na possibilidade de ir sozinha, mas não sei... Não deve ter nada de mal, é só um concerto, pronto, mas é preciso ultrapassar essa barreira mental. Deve ser como ir ao cinema sozinha. A primeira vez foi difícil. Depois comecei a adorar e agora prefiro mesmo ir sozinha do que com outras pessoas e vou muitas vezes. Se calhar compro já o bilhete e depois tenho essa desculpa de não perder o dinheiro para me obrigar a ir. Ou, no pior dos casos, perco 25 euros.
Porque é que eu só conheço totós que gostam de músicas indieprimentes? Aaaarrrrrggggghhhhhh

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Gostos não se discutem

As coisas de que eu gosto.



Caixinhas.




Estudos

E aqueles estudos parvos que se vêem aos pontapés hoje em dia, tipo 'pessoas que se atrasam são mais criativas' ou 'pessoas com mau feitio vivem mais tempo' ou 'pessoas desorganizadas são mais inteligentes'? A sério que há pessoas que perdem tempo a fazer estes estudos? A sério que há pessoas que acreditam nestes estudos e os usam para desculpar as suas falhas ou para exaltarem as suas virtudes? Isso são só clickbaits, pessoas.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Conselhos sábios da internet


CGD

Ontem ao almoço fui à CGD tentar resolver uma situação. A situação de fechar a minha conta lá. Isto foi a única coisa que me animou no meio de tudo, saber que as minhas idas a esse banco vão terminar. Cheguei lá por volta das 12h e saí de lá por volta das 13h. Uma hora de espera, portanto. Uma hora de espera para nada, porque não tratei de nada, simplesmente tive de vir embora porque senão nem conseguia almoçar. Várias senhas, lá escolhi a que me parecia mais adequada - Outros assuntos. A senha dos Outros Assuntos estava no número 35 e eu era o 48. Iludi-me e pensei que provavelmente grande parte destas pessoas que tiraram essa senha tiraram por engano, que aquelas pessoas todas que estavam ali deviam ser para a caixa, para depositar dinheiro, já que todos os velhinhos vão depositar dinheiro à caixa do banco porque não sabem fazê-lo no multibanco. É verdade que muitos deles eram para a caixa, onde estava uma funcionária que se movia à velocidade de uma lesma. Cerca de 10 minutos para cada pessoa que, pensando que é só meter o dinheiro na máquina que o conta e imprimir um talão para assinar, é uma eternidade. Mas aos poucos, as pessoas que iam para a caixa lá iam desaparecendo, até que começaram a ir para a caixa pessoas que tinham chegado depois de mim. Foi aí que percebi que estava lixada. Todas as outras 12 pessoas iam ser atendidas pela única funcionária que estava numa sala. Contando que ela apenas atendeu um casal no tempo todo em que lá estive e, só mesmo no fim antes de eu me vir embora, chamou finalmente outra pessoa, percebi que nem que estivesse lá até aquilo fechar me conseguiria despachar.
Quando vou a outros bancos, raras vezes, devo dizer, nunca é assim. Despacho-me rápido, apesar de haver pessoas à minha frente. Só na CGD parece o fim do mundo. Isso leva-me a pôr algumas hipóteses:
-ou eles têm muitos mais clientes do que os outros bancos
-ou os clientes deles são muito mais limitados e precisam de muita ajuda presencial
-ou os funcionários são muito mais lentos do que os de outros bancos.
Ou então é uma mistura destes três factores em simultâneo.


PS: este post estava escrito desde ontem. Entretanto fui hoje de manhã de novo a uma agência, outra agência, e a coisas correram melhor. Ainda que estivesse na mesma muita gente à espera, os funcionários pareciam mais despachados. A máquina das senhas estiva avariada e tivemos de estar todos em fila indiana a aguardar a nossa vez, mas o serviço foi mais rápido e chegou a minha vez num instante e finalmente tratei de tudo. Ufa!

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Saramago



José Saramago, Nas Suas Palavras

Dúvidas

Dúvida da semana, desta vez especialmente dirigida a mulheres que saíram de uma relação longa e estão noutra: com este segundo namorado/marido/companheiro/wtv também tiveram de fingir que eram perfeitas no início? Sabem, aquelas cenas tipo as mulheres não fazem cocó, não dão puns, não andam por casa com roupa velha e larga, andam sempre impecavelmente maquilhadas, etc. Também têm de passar por esse fingimento no início ou já não há paciência para isso? Juro que tenho esta dúvida há imenso tempo. E não digo isto com maldade, é uma dúvida honesta, eu própria já passei por isso, como muitas mulheres que conheço, e sei o alívio que é poder finalmente parar de fingir e sermos simplesmente nós próprias. Mas no início não há muita confiança e queremos parecer perfeitas, julgo que é normal. Eu sei que corro o risco de aparecer por aí uma feminista qualquer a mandar-me hate comments, mas queria mesmo saber. É que hoje em dia penso que não teria paciência de passar por isso tudo de novo, mas não sei bem como é. E digo mulheres porque apenas partilho estes comentários com mulheres, sinceramente não faço ideia se os homens também são assim, nunca ouvi nenhum queixar-se disso mas se calhar também são iguais e eu estou a discriminar.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Bimby low cost


Poucos leitores que me lêem e que nem sequer comentam muito (já sei que provavelmente não vou obter respostas, mas eu não desisto), que opinião têm daquelas máquinas de fazer sopa, tipo a da fotografia? São relativamente baratas, entre 50 e 100 euros, dependendo da marca, mas será que valem a pena? Alguém tem ou conhece quem tenha e tem alguma opinião para partilhar? Confesso que me parecem interessantes, apesar de aquilo ser apenas uma máquina com uma varinha mágica incorporada, mas se depois não fizerem a sopa como deve ser, não vale a pena. Já li algumas críticas nos sites que dizem que não trituram bem os legumes, mas outras diziam bem, por isso não sei bem o que pensar.



Final Destination


Quinta que resistiu aos incêndios de Pedrógão foi destruída pela chuva




Isto quase que parece o plot do Final Destination.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Portuguesices

Madonna já não é só turista. Estrela está a viver em Lisboa e a pagar impostos


Será que teve de ir para a fila das finanças para ter o NIF, como os comuns mortais? Mas o que eu mais adoro na notícia toda é mesmo este trecho (até vou por a bold para se ver melhor): algo a que não é obrigada mas que será útil se optar por descontar em Portugal ou se for exigido no ato de matrícula dos filhos numa escola portuguesa .


AHAHAHAHA a parolice, meu Deus, a parolice do/a jornalista! A construção frásica, as suposições parolas, a arrogância de achar que a Madonna quer descontar em Portugal, é tudo mau. Não consigo parar de rir.

Repetições

Desde domingo até hoje comi quatro vezes atum. E ontem por pouco não comia mais uma vez ao almoço também. Deslarga-me, atum!

Terapias


Uma coisa que me acalma é estender a roupa. Já sei, toda a gente destesta, haters gonna hate. Mas eu gosto. Com tempo, é óbvio que se tiver de despachar isso para a seguir fazer mais mil tarefas não vou gostar. Mas normalmente é uma coisa que gosto de fazer devagar, quando estou aborrecida ou chateada, e acalma-me, quando acabo estou assim mais relaxada. E também me lembro que quando era miúda costumava ajudar a mami e dar-lhe as molas e tinham de ser sempre da mesma cor para a mesma peça. Manias.

Celebration


Até me esquecia: esta é uma semana de celebração. Finalmente acabou a temporada de Game of Thrones e só vou ouvir falar nisso de novo daqui a um ano, se tudo correr bem. E para além disso, ouvi dizer que é a última. Vou encomendar foguetes para quando der o último episódio!

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Bem me parecia

Correndo o risco de parecer muito burra, hoje tive uma grande revelação: como escrever letras com acentos no iphone. Eu bem que achava estranho que não conseguisse escrever letras com acentos, não fazia muito sentido, mas pronto, sei lá, é um teclado inglês, pensava eu, não se lembraram dessa possibilidade. Afinal basta pressionar e esperar que as opções apareçam. E julgo que esta revelação só aconteceu porque desactivei hoje a opção 'predictive' para o telefone não escrever coisas parvas em vez do que realmente quero dizer.
Lição a tirar: uma pessoa toma uma boa decisão e o universo premeia-nos.

Gatinhos


Não há coincidências

Não me entendam mal, eu não me estou a queixar, eu sei que era preciso chuva porque estamos em seca extrema e não estarei muito errada se disser que gosto mais de chuva do que muitos de vós, mas, caramba, depois de meses sem uma pinga era mesmo preciso chover no dia em que eu pus tijoleira nova no pátio e o cimento tinha de secar? Era mais um dia apenas, um dia...

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Síndrome do alarme


Eu sofro da síndrome do alarme. Para quem não conhece esta doença, apanha-se quando se passa mas portas das lojas com alarme e este começa a tocar, devido a artigos que já são nossos e estamos a usar e que não foram desctaivados ou que o foram de forma errada, não sei bem. Isto depois origina a chatice de vir um funcionário ter connosco e termos de explicar que não estamos a roubar nada e que provavelmente é a nossa carteira ou as nossas sapatilhas. Depois disso esse funcionário, se for simpático, leva o nosso item que foi comprado noutra loja e já está a ser usado e desactiva-o na máquina da loja onde estamos e elimina-se o problema, pelo menos temporariamente.
Quem já passou por isto mais do que uma vez, acaba por desenvolver esta síndrome que se caracteriza por ter sempre medo de passar por alarmes em lojas, com medo que aquela grande porcaria toque e que tenhamos de passar por tudo de novo, nem que estejamos com roupa e itens que já tenham muito tempo, porque, como se sabe, muitos alarmes activam-se com o calor, que é a tanga que nos dizem quando vamos reclamar à loja onde compramos os artigos porque estamos fartos de passar vergonhas.

Forever and Ever

Quando eu era pequena e andava de carro com os meus pais, o meu pai punha muitas vezes a cassete do Demis Roussos. Passei a minha infância a ouvir Demis Roussos no carro portanto, em longas viagens para casa dos meus avós, enquanto dormia na chapeleira (God, se fosse hoje, a Segurança Social já me tinha retirado aos meus pais) ou no banco de trás quando já era um pouco maior e não cabia na chapeleira. Hoje em dia, quando me sinto desconfortável ou triste ou desanimada, se ouvir Demis Roussos é como se revivesse aquele sentimento de familiaridade e me sentisse outra vez pequena, no banco de trás do carro a adormecer, e fico sempre um pouco melhor. Para as quartas-feiras é fantástico, por exemplo. E acho que vai ser a minha arma secreta para conseguir sobreviver ao dia de hoje, que se avizinha longo e difícil.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Living on the edge


Ando obcecada com o prazo de validade dos produtos alimentares. Antes os prazos de validade eram enormes, mais de um ano para alguns produtos. Agora compro um pacote de batatas fritas e quando vou a ver já passaram 2 ou 3 meses desde o final do prazo. Houve alguma coisa que mudou? Saiu alguma lei que obrigue os produtores a usarem menos conservantes ou a encurtarem os prazos de validade? Não me percebam mal, eu não me estou a queixar, acho que até é bom para os consumidores se for esse caso de se estarem a usar menos conservantes. Só estou a achar estranho porque uma coisa destas não me parece que venha dos produtores, que naturalmente devem preferir ter produtos que sejam válidos durante mais tempo. Ou então não, porque assim as pessoas vêem que passou do prazo e deitam fora e compram novo. Não eu. Eu nem acredito muito nessa história dos prazos de validade, para dizer a verdade. Se quando compro escolho os produtos que têm um prazo maior, por exemplo os iogurtes, que vou sempre ao fundo da prateleira buscar, também é verdade que não me faz diferença nenhuma que depois, em minha casa, passem do prazo. Até porque é fácil ver se os produtos estão estragados em coisas como iogurtes, leites, compotas, queijos, etc. Nos restantes produtos, também não acredito muito que comer umas batatas fritas ou umas bolachas que passaram do prazo há 2 meses me vão fazer mal. Se não estiverem com mau gosto ou outro qualquer sinal de estarem estragados, eu como sem problema. Gosto de viver no limite.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Gostos não se discutem

As coisas de que eu gosto.



Cremes.




Há dois tipos de pessoas


E vocês, deitam primeiro o leite ou os cereais na taça? Eu deito primeiro os cereais e só depois ajusto o leite necessário, porque gosto que tenha muito leite, sempre a cobrir os cereais.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Norte, sul, este, oeste

Em alguns dos trails em que participo é normal o sítio da partida ser algo tipo 'no largo da igreja' ou 'junto da igreja velha'. Já que eu muitas vezes vou para sítios que não conheço, eu e provavelmente muitas outras pessoas, estas indicações parecem-me bastante vagas. Será assim tão difícil incluírem o nome de uma rua que apareça no GPS ou o número das coordenadas? Já andei mais de meia hora às voltas, a pedir indicações às pessoas que encontrava na rua, completamente perdida em terras que não conheço, por ruas que o meu carro quase não passava, e tudo isto seria evitado com indicações precisas. Nomes de ruas, ok, pessoas que organizam os trails? Nomes de ruas ou coordenadas, lembrem-se.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Chinesices

Como estou rabugenta hoje, vou começar com um post negativo. Não gosto da Parfois. É uma das lojas mais overrated da actualidade. Aquilo são chinesices sem qualidade, com o preço super inflacionado. As únicas ocasiões em que compro são quando quero ter alguma coisa que se usa no momento e que sei que não vou usar muito, por isso não importa se é mais fraco. Tipo quando quis comprar uma mochila, mas já sabia que me ia fartar rápido, então comprei lá. De resto, hoje em dia não compro lá nada. Já cheguei a comprar alguns porta-moedas e carteiras no passado, apesar de nunca ter sido grande fã, mas acabam por se estragar rapidamente, nota-se que os materiais são fracos e começam a descolar ou descascar, para além de não serem nada baratos. Pelo mesmo preço, julgo que se arranja melhor em outras lojas. E é uma empresa que está em super crescimento, de ano para ano, sempre com lojas maiores nos shoppings. Não consigo perceber.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Volta

A Volta passou em minha casa. Não ligo nem sei nada sobre ciclismo, mas já que ia passar mesmo à minha porta e até estava tanta gente na rua à espera, fui ver à janela também. E passou assim um aglomerado de bicicletas e acabou. Não sei quantos são, mas pareceram-me poucos. Quando eu era miúda, lembro-me que vi a Volta passar em minha casa mais de uma vez e eu ficava imenso tempo a ver passar ciclistas. Alguns sozinhos na frente, depois o pelotão, depois os mais atrasados. O ciclismo está menos concorrido hoje em dia, não está? Ou entã os ciclistas estão mais bem preparados e já não há quem vá à frente ou atrás. vão sempre todos juntinhos.

Dúvidas

O hotéis não deviam ser mais baratos se reservados directamente, em vez de usar plataformas intermediárias como o Booking ou semelhantes? Assim não teriam de pagar comissões ou taxas ou whatever. Mas quase nunca isso é verdade. Também acham estranho?

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Gatinhaaaaaaaaaaaaaaa


Presidente? Presente!


http://observador.pt/2017/08/15/marcelo-rebelo-de-sousa-a-caminho-do-funchal-e-antonio-costa-envia-condolencias/


Ufa, ao menos já chegou o Marcelo para dar abraços e tirar selfies com as pessoas da Madeira. Podem não receber mais nada, tipo indemnizações ou pessoas competentes que resolvam os problemas antes de se transformarem em tragédias, mas ao menos recebem carinho.

Vidente

Em relação à árvore que caiu na Madeira e matou 13 pessoas, e já estava sinalizada e até já lá tinha ido uma equipa verificar o estado da árvore e disse que não havia perigo de queda, vai ser feita uma peritagem para se apurarem as causas do incidente. Eu posso já adiantar o resultado dessa peritagem, poupando quiçá milhares de euros à autarquia: não foi responsabilidade de ninguém da equipa que já lá tinha ido ver a árvore, ela caiu porque foram causas novas. Ninguém irá ser responsabilizado. Agora podem gastar o dinheiro da peritagem noutra coisa qualquer, tipo fazer rotundas ou pintar as estradas. Não têm de agradecer.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

E121

Lembrei-me recentemente de groselha. Há muitos anos que não bebo um refresco de groselha e isso costumava saber-me tão bem! Então fui ao supermercado à procura de xarope de groselha. Só havia uma marca, que não me recordo qual era. Olhei para os ingredientes, que como se sabe vêm por ordem decrescente em relação à quantidade usada no produto em questão, e comecei a ler: água, açúcar, aroma, corante, Exxx, Exxx, e por aí fora. Resumindo, não vi lá nem uma menção a groselha, o fruto que dá nome (pelos visto só isso) à bebida. Apenas aromas, que supus artificiais, e corantes e esses Es todos que não fazem nada bem. Para pena minha, tive de deixar lá a garrafa. Gostava muito de beber um refresco de groselha, mas gostava menos de ingerir mais uma quantidade absurda de açúcar e cenas variadas artificiais. Se calhar, tenho de procurar outra marca para ver se é diferente.

Verdade


Bom artigo:




https://oinsurgente.org/2017/08/11/viver-num-t2-no-centro-da-cidade-por-menos-de-400e-sim-e-possivel/

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Cinemaxunga

Quero recomendar o melhor blog de cinema da internet:





Cinemaxunga





Não é meu amigo nem nada (mas não teria mal nenhum que fosse, ser meu amigo não quereria dizer que não pudesse ser bom na mesma), a recomendação é imparcial. É só mesmo muito bom, para quem aprecia o género.

Desconversando


Adoro a forma como os gestores de redes sociais no LIDL evitam as perguntas e dão respostas politicamente correctas, redigidas com antecedência, que não têm muito a ver com o que foi perguntado.







E continuava, por dezenas e dezenas de comentários. Mas até percebo que não possam/saibam responder a todas as parvoíces que se perguntam.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Sem luz ao fundo do túnel

É deprimente ir ao facebook e instagram e ver toda a gente de férias, na praia, em restaurantes, em sítios no geral e eu a trabalhar, sem sequer ver a possibilidade de férias brevemente. Isto de ter férias em Junho não foi grande ideia, parece-me.

Dress code

A sério, que cena é esta das pessoas usarem fatos de banho como se fossem tops e andarem assim na rua? Isso está na moda onde, na cabeça das bloggers de moda que usam isso para as fotos?

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Os últimos não são os primeiros

Facto: costumo fazer trails, mas, como ainda corro pouquinho, costumo estar no grupo do fim. Nunca fui a última, mas, dependendo do número de participantes, diria do último 1/5 das pessoas em corridas grandes, no último 1/3 em corridas com menos gente.


Constatação: os últimos dos trails nunca aparecem nas fotos.


Especulação: os fotógrafos devem fartar-se de esperar pelos que vêm depois do 'pelotão' e vão-se embora para o próximo spot tirar fotos. Errado, porque os da frente devem fartar-se de ter fotografias, provavelmente já nem ligam. Os que vêm mais tarde, como estão a fazer um grande esforço, é que dão mais valor a terem fotografias desses momentos.

Viagem ao inferno

Vem Agosto e com ele vem essa praga anual que é a Feira Medieval. Muita foto com coroas de flores, muita alusão à 'Viagem Medieval'. Haja paciência.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Dia Mundial do Gato

Parece que hoje é dia mundial do gato. Um bom dia para todos os Marquinhos e Mimis e Luizinhos e todos os outros gatinhos deste mundo! Adoro gatinhoooooooos!







Dúvidas

Dúvida da semana: conhecem alguém que, nas casas de banho públicas, prefira secar as mãos nos secadores automáticos em vez de usar papel? Será que essa pessoa existe no mundo?

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Fogo posto

Ontem fui fazer uma caminhada no meio do monte. Uma espécie de trail mas com menos corrida. Quando ia para lá, vi num monte lá perto três focos de incêndio. Via-se o fumo a sair em três sítios, praticamente equidistantes e em linha recta. Ou o Sol andou de régua e esquadro a atear aquele fogo ou então foi um filho da puta que ateou o fogo. Fiquei mesmo triste e revoltada. Porque estava no início ainda e quase que se podia ter apanhado o animal que fez aquilo e ter-lhe dado uma carga de porrada que o pusesse em coma e da qual nunca mais se esquecesse quando quisesse atear fogos em matos. Durante o tempo todo da acaminahda andaram lá duas avionetas a ir buscar água ao rio e a deitar no fogo e ainda ficaram lá quando vim embora, portanto mais de 3 horas a apagar um fogo que teve origem em mão humana.
Na minha cabeça, fiz logo um filme pior ainda. E se essa besta tivesse ateado o fogo num dos sítios onde íamos passar na caminhada e ficássemos lá presos no meio das chamas e morrêssemos? Não seria um cenário assim tão descabido, seria mais uma questão de sorte. Ou azar, de estar no síito errado à hora errada.
Eu sei que isto dos incêndios e dos pirómanos é uma questão muito complexa e haverá muitos interesses e desequilíbrios mentais à mistura, mas ontem, devido a toda a envolvência de ter visto o fogo a começar, de irmos fazer uma caminhada para lá perto, de ter visto as avionetas a apagar o fogo, fiquei muito triste e revoltada.

Gostos não se discutem

As coisas de que eu gosto.



Cadernos.





sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Todos diferentes, todos iguais

Vocês também acham que todos os chás, independemente do sabor, depois de infundidos por muito tempo, sabem ao mesmo? Os sabores que têm acabam por desaparecer e eventualmente nota-se apenas que é chá preto, branco, vermelho, etc.
Acontece-me muitas vezes esquecer-me de tirar o saquinho e depois já nem sei qual era o sabor daquele chá, é so um chá igual aos outros todos..
Hoje acredito mais nesta teoria, depois de ter visto num chá novo que tenho a seguinte informação:



55555



Só para me armar


Não gosto de chiclas. Não gosto de rebuçados. Não gosto de chupas. Não gosto de gomas. Não gosto de marshmallows.
Era isso.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

The end of the world is upon us

Tenho achado estranho que estejamos em Agosto já e que nem andem muitos emigrantes por cá. Não tenho visto nem muitos carros com matrículas estrageiras nem muita gente a falar línguas estrangeiras que não os turistas. Hoje percebi porquê. Estão todos no outlet de Vila do Conde. Mas mesmo todos. Geez, aquilo lá parecia o fim do mundo. Se precisarem de ir lá, não vão. A sério, confiem em mim.

:(


Quero falar de avionetas, não porque é o assunto do momento, mas porque eu sou obcecada por elas há já muito tempo.
Costumo chamar-lhes as avionetas da morte. Sempre que ouço uma porcaria dessas voar por cima de minha casa fico a pensar que ainda cai em cima da minha casa e eu morro lá. Ou então fico com a casa toda destruída. Os famosos é que costumam ter muitos acidentes nisso, porque são ricos e têm avionetas e brevets e depois a tragédia acontece. A família Kennedy morreu praticamente toda por causa de acidentes com avionetas. Não sei se mais alguém repara nisso, mas estão sempre a haver acidentes. Avionetas que caem e provocam feridos, que morrem os tripulantes, avionetas que se despenham em cima de casas, etc. Desta vez foi na praia e matou duas pessoas pelo caminho.
Essas avionetas deviam ser proibidas. Proibidas. Ou então só podiam voar em sítios desertos. Assim, se se despenhassem, apenas morria a tripulação, que teria de assinar um termo de responsabilidade antes de entrar num desses aparelhos da morte e declarar que estava perfeitamente consciente dos riscos.

.--. .- .-. --- .-.. --- ...

Ter tatuagens é uma boa forma de distinguir os parolos das restantes pessoas. Não, não é ter tatuagens que faz as pessoas parolas (mas os parolos podem ter tatuagens). Os parolos são os que perguntam sempre qual é o significado das tatuagens. 'Ai que bonita. O que é que significa?' Pffffff. Não há paciência. As tatuagens não precisam de ter significado. Podem só ser desenhos bonitos de que gostamos, até porque no fundo são uma espécie de arte. Não estamos na II Guerra Mundial para termos de passar informações à Resistência em código para que mais ninguém perceba, ok? E mesmo que tenham significado, podemos nao querer partilhá-lo com ninguém, podem ser coisas pessoais. Parolos do mundo, parem de perguntarem essa parvoíce!

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Os Cinco


Os Cinco fazem 75 anos. Li os livros todos quando era criança, tenho a colecção completa. Um primo mais velho que tinha a colecção emprestava-me os livros para eu ler. Entretanto comecei a comprar os meus próprios livros e fiz a colecção de 21 livros, que exibia com muito orgulho. Quando ia ao Continente com os meus pais, uma vez por mês, trazia sempre um ou dois livros, conforme disposição dos meus pais e disponibilidade dos títulos. Lembro-me que estive muito tempo à espera de encontrar Os Cinco e os Aviadores para terminar a colecção, estava sempre esgotado, mas finalmente apareceu e completei a colecção.
Depois ainda tentei ler Os Sete, à semelhança dos autor do artigo, mas realmente não era a mesma coisa. Ainda assim era melhor do que Uma Aventura..., nunca gostei nada desses. Se calhar por ser uma cópia descarada e rasca d’Os Cinco. Nunca gostei de copycats.
Não me lembro do racismo e tudo o resto de que acusam a Enid Blyton, para mim eram só as aventuras de um grupo de crianças e seu cão. E foram livros muito importantes para mim. Foram os primeiros livros a sério (sem ser livros de historinhas com desenhos) que me recordo de ler com gosto, e provavelmente foram eles que me fizeram adquirir o gosto pela leitura.
Por isso, parabéns a Os Cinco e à Enyd Blyton e que continuem a incentivar o gosto pela leitura a muitas mais crianças e jovens.



Dúvidas

Dúvida da semana: terá havido algum curto período de tempo em que as molduras digitais tenham sido fixes? Para mim, sempre foram um fail desde que apareceram, nunca percebi a piada disso.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Genie in a bottle

E aquelas pessoas que dizem 'eu entrei para a faculdade com 17 anos' ou 'eu entrei para a escola com 5 anos', como se fossem génios sobredotados e superiores aos restantes mortais, mas que apenas fazem anos tipo em Novembro e as aulas começam em Setembro e por isso tem aqueles 1 ou 2 meses de delay?

To birken or not birken

Podemos levar as Birkenstock para o trabalho? São chinelos, no fundo, mas são chinelos de 60 euros, bem caros. E giros também.


segunda-feira, 31 de julho de 2017

PNL

Fiz um curso de PNL recentemente. Já tinha feito um há muitos anos e gostei e então decidi repetir, desta vez numa escola diferente, para aprender coisas diferentes.
É um curso muito giro, que nos ensina coisas muito úteis, como melhorar a forma como comunicamos, tentar perceber e melhorar a forma como os outros nos percebem, definir os nossos objectivos de forma correcta, compreendermos melhor os outros.
Eu sei que isto parece um bocado tanga, mas é muito interessante. Claro que têm de ter muito cuidado na escolha do curso. Tanto vos sai uma escola boa, como as duas que eu apanhei, como também vos pode sair uma seita. Há umas vertentes de PNL assim um bocado mais estranhas e que podem facilmente derrapar para o exagero. É quase tipo o yoga. Tanto pode ser muito giro fazer as posições e exercícios de respiração, como a seguir já estamos numa espécie de culto, a usar calças de hippie e rastas e a ser de esquerda.

Blackberry fields forever


Quando eu era criança, ia com os meus amigos a um campo perto da minha casa apanhar amoras. Tinha lá imensos silvados e cresciam amoras por todo o lado. Chegávamos a casa com a bacia cheia sempre.
Depois disso nunca mais me lembro de comer amoras, boas pelo menos. Já cheguei a comprar aquelas que se vendem nos supermercados em caixinhas mas não têm sabor nenhum, para além de serem caríssimas. Mas também nunca mais vi amoras em lado nenhum, se calhar porque não ando aí pelos matos onde há silvas que dão amoras.
Ontem fui fazer um trail e o que é que me aparece, mesmo no meu caminho? Montes de silvas carregadinhas de amoras, super maduras e com super bom aspecto. Tive de comer duas para provar, mesmo sem lavar, não resisti (em todo o caso, o que não nos mata, torna-nos mais fortes, não é?) e eram maravilhosas. Já estou a pensar ir lá de novo, munida de sacos, para apanhar todas as que puder e finalmente comer amoras que sabem a amoras.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Gostos não se discutem

As coisas de que eu gosto.




Cabras montesas.





Spinning

Ainda não falei dos fidget spinners e agora quase já nem se ouve falar disso, já nem se vê ninguém a usar. Mas mesmo atrasada, gostava de deixar a minha posta de pescada. A única coisa que tenho a dizer sobre isso é que me diverte imenso quando surge um brinquedo ou uma moda como esta e as pessoas começam logo a elaborar grandes teorias sobre isso e a lançar boatos. Disseram-me várias coisas, incluindo que uma criança morreu quando estava a brincar com um, pelos vistos porque engoliu uma peça; que foi inventado pela mãe de uma criança autista; e também que iam ser proibidos (adorava ver o governo a perder tempo a redigir uma lei sobre fidget spinners). Como disse, não sei se são verdade, diria que não, mas também não vou perder tempo a confirmar porque não me interessa (mas se a criança realmente morreu com isso é uma merda). E todas estas teorias servem para divertir pessoas como eu que não querem saber dos fidget spinners para nada e ficam admiradas ao perceber o tempo que as pessoas perdem a falar de um objecto sem importância.



quinta-feira, 27 de julho de 2017

Dúvidas

Dúvida da semana: normalmente os trails são patrocinados/organizados por clínicas dentárias e não entendo porquê. Será que as pessoas que fazem trails têm maus dentes e as clínicas viram aí um nicho de mercado por explorar? Ou é porque têm grande possibilidade de cair e partir os dentes e assim já têm onde os tratar?

857369


quarta-feira, 26 de julho de 2017

Queixinhas


Bem, parece que afinal alguém do Ministério da Administração Interna ou da PSP/Polícia Municipal/Brigada de Trânsito/whatever lê o meu blog. A ideia que dei há uns meses já foi posta em prática. Saiu uma app que permite aos utilizadores fazerem queixa de carros mal estacionados. Acho fantástico e vou ser uma utilizadora do serviço assim que sair uma versão para iphone. Pode ser que assim as pessoas deixem de ser preguiçosas e não deixem carros em segunda fila, em cima de passeios, etc. O problema é quase sempre a preguiça de pôr o carro mais longe e andar, não é tanto o não existirem lugares para estacionar, por isso para mim não têm desculpa. Estou ansiosa por experimentar!

Night of the Living Dead

E falando em planos e em zombies, vou partilhar convosco o meu plano para um apocalipse zombie: passar numa farmácia, que nessa altura já estará abandonada certamente, e sacar todas as bombas de asma que conseguir para conseguir sobreviver. Quando elas acabarem, em alguns anos se for muito positiva e poupada, eu morro, porque deixo de conseguir respirar. E vocês, têm algum plano de sobrevivência?

terça-feira, 25 de julho de 2017

Adeus, mestre!

Semana passada o George A. Romero, o mestre dos filmes de zombies, morreu. Não comentei na altura, até porque não soube no próprio dia, mas não quero deixar passar em branco. Adoro filmes de zombies e adoro os filmes dele.
Fica aqui o poster do Land of the Dead, um dos meus (vários) preferidos, assim em jeito de pequena homenagem.



Nham nham

Adoro aqueles flans industriais, de sabor a baunilha e com calda de caramelo. Aquilo deve ter zero de baunilha e caramelho, o sabor é super artificial. Quanto mais industrial melhor, não quero cá esses que têm sabor a ovo. Para isso, fazia em casa. Não tenho preferência por nenhuma marca, compro os que houver no supermercado onde for. Sinto-me tão culpada quando os como mas sabem-me tão bem... Adooorooooo!


segunda-feira, 24 de julho de 2017

#1000

Mil posts. É muita coisa. Quando comecei este blog, depois de ter parado com o Não Gosto, não julguei que me fosse aguentar tanto tempo. Se calhar até é isso que toda a gente pensa quando começa um blog, não sei, mas a verdade é que vão sempre surgindo assuntos, uns mais interessantes, outros menos. E é sempre bom termos um sítio onde podemos reclamar de tudo e de todos e continuar com a nossa vida. Sinto-me sempre bem quando venho cá desabafar sobre alguma coisa, tiro esse peso de cima de mim e posso seguir em frente.
That said, estou um bocado farta dos títulos dos posts. Isto de ter números é uma chatice porque tenho sempre de ir ver o post anterior para escrever o próximo. Assim sendo, agora vou começar a escrever o título que me apetecer. Números, palavras, frases, títulos de músicas, títulos de filmes, símbolos, sem título até, como eu quiser. Vai ser uma espécie de caos controlado. De vez em quando preciso de introduzir um pouco de caos na minha vida, eu que sou tão organizada e obcecada com ordem. Deviam ver a minha secretária no trabalho, um horror, tudo perfeitamente organizado, paralelo e perpendicular. De vez em quando ponho qualquer coisa fora do sítio propositadamente, introduzo esse caos controlado e simulado para parecer que estou a viver no limite. Não estou, foi tudo pensado.

#999

Coisas que me afligem: canetas que falham. Especialmente naqueles quadros brancos, quando as pessoas insistem em continuar a usá-las e já não se consegue ver nada. Usem canetas novas, pelo amor de Deus!

sexta-feira, 21 de julho de 2017

#998

Adoro zoom. No pc, tenho sempre os icons e texto e browser e excel e todos os outros programas que uso com zoom. Adoro poder ler confortavelmente, sem esforço. Por acaso tenho um ligeiro astigmatismo, mas nem sequer uso óculos normalmente, Mas dá-me uma certa paz de espírito saber que não estou a esforçar a vista e a piorar. Descobri que o meu telemóvel também tem zoom e então é a loucura. Icons grandes, letras enormes... Estou mesmo feliz com isto.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

#997

Tipo de marcas que compram espaço publicitário no facebook:





Tipo de pessoas com quem estas campanhas resultam:



#996


O jornal espanhol El País avança que Portugal será o único país da União Europeia que descarta a hipótese de aplicar sanções à Venezuela caso o presidente Nicolás Maduro avance com a convocação de uma assembleia constituinte. (...) Já esta manhã, o Governo português desmentiu a informação.


Claro que desmentem essa informação. Estar do lado desse ditador assassino venezuelano é tão baixo, tão reles, que até os socialistas/comunistas têm vergonha de assumir isso publicamente, ainda que seja isso que fazem subrepticiamente, para estarem a salvo das críticas.
É uma vergonha. Tenho vergonha deste país.

#995

Um bocado no seguimento deste post e de como sou sempre a última a aderir ao progresso da tecnologia, fui informada recentemente de que o USB se tornará obsoleto em breve e que USB-C será o novo standard. Assim sendo, já formulei um plano: vou comprar muitas pens USB, assim quando deixarem de se usar e vender, eu continuarei a ter stock durante muitos anos, sem precisar de usar esse USB-C.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

#997

Sempre que faço alguma encomenda no ebay de artigos que vêm da China, recebo a confirmação do shipping pouco tempo depois. Imagino sempre que eles têm muitos chineses a trabalharem lá e que há um que é só responsável por ir logo a correr aos correios enviar as encomendas mal as recebem, assim super rápido e eficiente.

#994

Já agora, recuperando o tema das bolas de berlim, e vocês, preferem com açúcar em pó ou com açúcar em grão? Eu adoro com açúcar em pó mas é cada vez mais difícil de encontrar.

#993

Tenho uns sapatos novos que aproveitei para estrear hoje qee não está calor. E os sapatos... chiam. Sim, sempre que dou um passo ouve-se os sapatos a chiar. Então eu a andar pelo escritório sou tipo 'chiiii chiiii chiiii chiiii chiii'. Espero que seja por serem novos e que isto depois passe. Ou então se calhar era por isso que estavam tão baratos! Raios.

terça-feira, 18 de julho de 2017

#992


#991


Conheço várias pessoas que usam casacos ou camisas no Verão. Pessoas que são gordinhas, pessoas que têm apenas os braços gordinhos, pessoas que eram magras e agora são mais gordas, todas pela mesma razão, porque não se sentem bem a mostrar os braços. Eu sempre tive pena delas, achava que passavam sofriam imenso. Até porque uma amiga minha confirmou-me isso mesmo, que chegava o Verão e chegava o sofrimento de usar casacos sempre. Às vezes 30º lá fora e ela com o seu casaco de malha porque não gosta de ver os seus braços gordos. Até que fiz uma tatuagem no braço no Verão (eu sei, burra, não pensei), e tive eu também de usar mangas durante um mês. E aí sim, ainda senti mais pena dessas pessoas, porque senti na pele o que passavam, é mesmo uma tortura.
Pessoas, não vale a pena passarem por isso por vergonha. Se for uma questão de ter mesmo de ser por motivos maiores, pronto, tem de ser. Mas por vergonha não vale a pena. A sério, ninguém quer saber dos vossos braços. Parem de sofrer com o calor! Deixem esses braços à mostra! Vamos lançar o movimento #braçosamostraparatodos!

#990

Sempre que entro na (no ou na? Acho que escolho na, por agora) Netflix fico angustiada. Há imensos lançamentos, todas as semanas. Séries novas, novas seasons de séries que já existem, filmes e séries que já existiam mas que a Netflix conseguiu os direitos, há para todos os gostos. Isto quer dizer que cada vez tenho mais conteúdos para ver. Como isso me causa alguma angústia, acabo por não ir lá tantas vezes quanto poderia e vou ficando cada vez mais trás, tornando-se num ciclo vicioso. E quando vou, tenho de pensar muito bem no que vou ver, não quero perder o meu tempo com conteúdos fraquinhos, quero só o melhor. Um dia destes queria ver um documentário, mas tinha tantos que me interessavam que acabei por não conseguir escolher nenhum e não vi nada. Raios, Netlix, porque tens de ter tanta oferta? Longe vão os tempos em que havia meia dúzia de coisas boas para se ver. Este post é uma espécie de elogio e crítica, ao mesmo tempo, não me consigo decidir. Mas se tiverem tempo para ver muita coisa e/ou não se importarem de estar a perder muita coisa, a Netflix é um bom investimento, especialmente se arranjarem até mais 3 amigos que queiram partilhar, fica uma pechincha e deixam de ser dependentes da chatice de fazer download de torrents.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

#989

As coisas de que eu gosto.



Porta-chaves.


#988

Ainda não tinha arranjado um adjectivo que servisse para caracterizar na perfeição aqueles perfis conjuntos de facebook. Felizmente uma amiga minha encontrou um: tenebroso. Agora sempre que vejo uma dessas coisas penso 'ufff, tenebroso' e consigo continuar a minha vida sem a indisposição que isso me costuma causar.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

#987

Sempre que vou aos contentores deitar o lixo ou a reciclagem, fico sempre com uma certa sensação de perda. Tenho sempre medo de deitar a chave de casa junto com o lixo, e então asseguro-me sempre de que não tenho mais nada na mão para além do saco do lixo. Mas mesmo assim, fico sempre a sentir que deitei fora alguma coisa minha. Também sentem isto?

#986

Receita para filme de super heróis rentável:


1-imaginar um super herói merdoso qualquer
2-arranjar forma de meter no filme o Tony Stark/Iron Man
3-viver à custa dos lucros

quinta-feira, 13 de julho de 2017

#985

Quando leio o rótulo do protector solar e diz lá aquilo de repetir a aplicação 'after towelling', lembro-me sempre do Towelie do South Park.






#984

Durante dois anos, todos os dias a caminho do trabalho, tive que me desviar de duas tampas de saneamento fundas como um poço, uma a seguir à outra. Ainda bem que finalmente vamos ter eleições e subiram as tampas esta semana, e agora já não preciso de fazer uma gincana todos os dias.
Durante sete anos, fui para casa de um amigo numa estrada praticamente em ruínas. Nas eleições passadas não devia haver orçamento, mas finalmente chegou a vez dessa estrada ser arranjada.
Mas tenho para mim que os maiores beneficiados com isto das eleições autárquicas são os fabricantes de tintas. Nunca se vê tanta rua ser pintada como no ano que antecede as eleições.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

#983

Dúvida da semana: o que quer dizer sunset hoje em dia? Sunset para mim é o pôr do sol em inglês, mas ouço publicidade ao 'melhor sunset de sempre' e com o DJ não sei quê e acho que não nos estamos a referir à mesma coisa.

#982

Sempre que chegava à praia era uma canseira para pôr protector solar. Os primeiros 10 ou 15 minutos eram sempre gastos a cobrir minuciosamente todas as áreas do corpo com protector. O problema disto é que nunca sabemos muito bem onde é que o protector já foi aplicado, especialmente nas áreas perto do bikini, onde é mais normal que não fique muito bem espalhado e depois para ficar toda vermelha é um instantinho. E então lembrei-me de uma ideia vencedora: fazer um protector com cor que deixasse o nosso corpo colorido, para assim sabermos que zonas já estão bem protegidas e não é preciso pôr mais. Isso facilitava imenso esta tarefa.

terça-feira, 11 de julho de 2017

#981

Mesmo com tantas coisas à venda, julgo que o mercado não está saturado e lembrei-me de outras coisas que podiam vender na praia e fazer sucesso:

-bebidas - um básico. Tanto vendedor com bolas de berlim e nem um com água, para matar a sede insuportável com que ficamos depois de comer uma bola.

-café gelado: com tanta gente viciada em café em Portugal, julgo que muita gente iria aderir a esta forma de beber café, ainda que diferente.

-cigarros: outro vicío de que se podiam facilmente aproveitar, evitando que as pessoas tivessem que se deslocar ao café mais próximo. Aqui o problema julgo que seriam as margens de lucro, que são pequenas.

-guarda-sóis/cena para proteger do vento que não sei o nome: isto pode parecer estúpido, mas de certeza que iria ter sucesso em dias que as condições climatéricas mudam, por exemplo. Pessoas que vão para a praia com sol e depois apanham vento, se calhar compravam um coiso para não apanharem vento. E como é o Algarve, de certeza que há muito estrangeiro desprevenido que compraria um destes items.

-cenas para a praia: por exemplo, almofadas. Em certos dias, era gaja para pagar bom dinheiro por uma almofada, e não estar toda desconfortável com a cabeça no chão. Ou aquelas cadeiras de praia. Ou brinquedos para as crianças.


#980

Estar na praia onde estive era semelhante a uma ida ao centro comercial. A partir das 10h30, era como se as montras viessem até nós. A quantidade de coisas que se vendia lá... Fica uma lista, não extensiva, porque de certeza que me vou esquecer de alguma coisa, eram tantas.

-bolas de berlim
-mantas/toalhas de praia
-túnicas/vestidos
-óculos de sol/chapéus
-bikinis
-pulseiras/colares
-massagens
-esculturas em madeira
-tererés/tranças no cabelo

E havia vários vendedores de cada item, por isso estávamos constantemente a ser abordados por vendedores de tudo e mais alguma coisa. Quando não nos abordavam, tínhamos de ouvir os seus pregões pela praia fora. Ufa!

#979


sexta-feira, 7 de julho de 2017

#978

Os guarda-sóis na praia são um perigo. Vi imensos guarda-sóis a voarem e a centímetros de magoarem alguém gravemente. Um voou para cima do F. quando eu estava na água (sorte a minha) e o tipo que o foi buscar nem sequer pediu desculpa. Em dias de vento, aquilo é praticamente uma arma branca. Não sei se há algum registo de pessoas magoadas com guarda-sóis na praia, mas eu estava a viver no medo constantemente. Até me deitava mais vezes virada para baixo para não levar com um na cara, nas costas sempre deve doer menos. As pessoas que compram guarda-sóis deviam assinar uma declaração de responsabilidade a dizer que iam ter sempre muito cuidado a enterrá-lo na areia para que ele nunca voe e magoe ninguém e que, caso isso aconteça, assumem todas as responsabilidades. Odeio guarda-sóis!

#977

As coisas de que eu gosto.



Mimosas.