sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

#787

O ano 2016 foi uma grande merda. 2015 foi um bom ano, consegui atingir alguns objectivos e fazer coisas que me deixaram feliz. Desde o início de 2016 que comecei a sentir que tudo o que tinha conseguido no ano anterior afinal era uma grande tanga. Fiquei sempre com a sensação de ter construído castelos de cartão, que se foram destruindo com o tornado que foi este ano. Por isso, queria dizer aqui uma coisa muito importante: FUCK YOU 2016!



quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

#786


#785

Frase da semana: fake it 'till you become it.

#784

Às vezes vemos pessoas que fazem o mal e que saem sempre impunes dos seus actos. E estou a falar de tudo o que se possam lembrar, do gajo que é espertinho no trânsito e passa sempre os vermelhos e as filas sem ser multado ao gajo que faz pouco de toda a gente no trabalho e ninguém responde, do gajo da política que mete dinheiro ao bolso e não é condenado ao gajo que dá porrada aos tipos da Uber e não lhe acontece nada. Estou a falar em termos gerais, da menor à maior maldade, e quando falo em gajo não quero só dizer homens, claro, estou a falar no geral, só uso gajo porque é uma expressão que gosto de usar. E nós vemos essas pessoas sempre a fazerem mal e a safarem-se e sentimos que não há justiça. Eu gosto de acreditar que alguma coisa de mal lhes vai acontecer. Não sei o quê, posso até nunca saber, pode até nem ser algo comparável ao mal que fazem, mas tenho de acreditar que essas pessoas vão ser 'castigadas' senão perco a fé no mundo. Tenho de acreditar que vão ser multadas, ou traídas pelo parceiro/a, ou que vão partir uma perna a descer as escadas, ou que vão envelhecer sozinhas e tristes. Não sei se é justiça divina ou karma ou se o mal que fazemos nos chega sempre em dobro ou se é outra coisa que lhe queiram chamar. Espero que seja uma dessas ou todas, e que realmente haja uma espécie de balança que equilibre o universo de alguma forma, para eu continuar a acreditar na humanidade.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

#783

Palavra alemã preferida: radiergummi (borracha).

#782

Invejo aquelas pessoas que, fartas do mundo corporativo e das suas profissões aborrecidas que não lhes proporcionam felicidade, se despedem e se lançam num projecto novo. Eu adorava fazer isso, até porque em termos de aborrecida do mundo corporativo estou farta que chegue. O grande problema é que eu não sei fazer nada. Se eu olhar para essas pessoas, vejo pessoas que gostavam de cozinhar e foram tirar um curso para serem chefs, ou pessoas que têm algum talento e decidem lucrar com isso, fazendo uma coisa que gostem que também lhes dê dinheiro. Eu não sei fazer nada nem gosto assim tanto de fazer alguma coisa que dê para me dedicar a isso. Não gosto de cozinhar, gosto de fazer bricolage e restaurar móveis, mas não o suficiente para montar uma empresa nessa área, não sei fazer artesanato, não tenho dinheiro para montar uma guest house, que agora estão tanto na moda, gosto de animais mas não tenho imaginação suficiente para fazer alguma coisa lucrativa com isso, não tenho dinheiro nem vocação para abrir um bar/restaurante na baixa do Porto. Podia continuar, mas a ideia principal é essa, não sei fazer coisas únicas que me permitam começar um projecto giro e que me permitisse tirar daí dividendos. Não vou cair na conversa da treta do empreendedorismo, mas acho mesmo fixe que as pessoas que têm ideias as ponham em prática e que consigam sair da monotonia do mundo corporativo.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

#781

O George Michael era o meu cantor preferido de sempre. (dizer isto no sotaque do Renato Alexandre, amigo do Bruno Aleixo) (não era nada, estou só na gozação)

#780

Hoje entra em vigor a lei que prevê multas para quem não der prioridade a idosos, deficientes, grávidas e crianças de colo. Eu preciso de mais informações sobre esta lei. Num supermercado, por exemplo, temos de deixá-los passar em qualquer caixa ou é só nas caixas prioritárias? E se for em todas, basta eles aparecerem para os deixarmos passar à frente ou é só se eles pedirem? Já estou a ver cenários dramáticos tipo velhinhos e mais velhinhos a aparecerem na caixa e sempre a passarem à minha frente, e mães com crianças, e eu sempre lá no mesmo sítio, horas inteiras sem conseguir pagar até desistir, triste, e ir para casa sem nada do que ia comprar. E nunca mais conseguir pagar nada sem esperar pelo menos 30 minutos até conseguirem despachar todos os grupos prioritários antes de mim.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

#779

Já vi a internet toda 15 vezes hoje. Acho que vou sair mais cedo. Não sei porque se continua a obrigar as pessoas a trabalhar no dia 26 quando nada se passa na Europa. Devíamos ter tolerência de ponto como os funcionários públicos.

#778

E então, receberam muitos presentes? Muitas meias? Ou perdeu-se essa maravilhosa tradição de dar meias no Natal?

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

#776

Gostava de dizer aqui publicamente que nunca vi o E.T. quando era criança, ao contrário de todas as outras crianças do mundo. Nem nunca vi o Rambo nem o Rocky. E nem sequer tenho desejo de ver algum desses filmes agora.

#775

Três folhas A4 é o limite que um envelope pode ter para ainda estar dentro do primeiro escalão de peso. Olhem o tempo que vos poupei nos CTT. Serviço público, é o que é!

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

#775

Não se enganem, boas condições de trabalho são podermos trabalhar em situações climatéricas adequadas, em vez de estarmos a morrer de calor no escritório num dia em que estão cerca de 5º lá fora, com a cara super vermelha, e apesar de estarmos apenas de camisa, e o ar estar super pesado e estagnado, cheio de dióxido de carbono, de tanta gente a respirar, mas que as pessoas não permitem que se abra a porcaria de uma janela para esta merda arejar. Damn you!

#774


segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

#773

Aproxima-se o Natal e com ele vem o meu desejo de beber eggnog. E vem também a frustração de não encontrar em lado nenhum para venda. Vou ter de ser eu própria a fazer como no ano passado. Espero que fique melhor. Não que não tenha ficado bom, mas eu não tinha os ingredientes todos, então fiz um pouco de batotice. Este ano vou-me aplicar mais.

#772

Pior pesadelo recorrente do momento: acenderem luzes de avarias no carro.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

#771

Um dia destes cheguei a casa como de costume. E os gatinhos não me vieram receber à porta, como de costume. Achei estranho, mas como não tinha metido o carro na garagem julguei que podiam não ter acordado. Entretanto pousei as coisas, fui à cozinha, deixei entrar a cadela Maia, etc., e nada de gatinhos. Muito estranho, porque eles vêm sempre receber os humanos. Fui procurá-los. Não estavam a dormir no quarto por isso subi ao sótão. Aparece o gatinho Marco, saído da casa de banho. Dirijo-me à casa de banho e está a gatinha Mimi à porta, também a sair. Hmmm, o que é que estavam aqui os dois a tramar? Será que é alguma mosca ou algum bicho que apanharam? Entro na casa de banho e vejo isto:



Um terceiro gatinho, a tentar esconder-se atrás da sanita!
Suponho que tenha vindo pelo telhado, descido pela janela do sótão que estava aberta e depois não conseguiu subir para se ir embora.
O gatinho estava a miar, assim assustado, parecia. Fechei a porta e decidi ver se era amigável. Tentei fazer festas e ele deixou. Veio para a minha beira e derreteu-se com os mimos que lhe dei, super amiguinho. 

Entretanto fiz uns telefonemas e percebi que o gato era de um vizinho e que tinha andado pelas casas circundantes a passear nos dias anteriores. Ele estava super bem tratado, grande e gordo, pêlo macio, e para ser amigo dos humanos é porque tinha dono mesmo. Pu-lo de novo no telhado e ele lá foi pelos telhados até sua casa.
Nos dias seguintes, era ver os meus gatos sempre na casa de banho do sótão a ver se o convidado voltava.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

#770

Sabem como as pessoas às vezes se queixam da rotina? Pois eu estou com o problema contrário, eu quero rotina, quero que a rotina se volte a instalar na minha vida e que parem de acontecer tantas surpresas, 'situações', acontecimentos, eventos. Quero acordar, arranjar-me, ir no meu carro para o trabalho, sair ao fim do dia e ir para casa, jantar, ver séries e dormir. Pode ser? Uma vida simples, acho que não estou a pedir muito. Volta, rotina!

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

#769

Formações de 4 horas, em que 3 dessas horas são para fazer uma introdução e dar o 'contexto' e explicar funcionalidades inúteis e que ninguém vai usar, e em que as pessoas ao fim da primeira hora já só querem cortar os pulsos porque nem sabem o que estão ali a fazer, e não percebem nada do que está a acontecer e quando chega a última hora com a informação realmente relevante ou já está toda a gente a dormir, ou já desistiram e foram embora ou então a vontade que um raio caia ali naquele momento e os mate rapidamente é tão grande que já não conseguem processar informação. Adoro.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

#768

É bom às vezes termos conversas sinceras, e sem pretensões, com pessoas inesperadas. Toda a gente tem problemas, pessoais, financeiros, familiares, profissionais, etc, e é muito cómodo respondermos sempre 'está tudo bem, tudo na mesma' à pergunta 'então, como estás?'. Mas de vez em quando também sabe bem tirarmos a máscara e admitirmos que não, não está tudo bem, e termos alguém que não nos julga e conta os seus próprios problemas, sem vergonha.

#767

Gostava que alguém me explicasse a cena das luzes de natal. O Porto tem estado super concorrido por causa de pessoas que vão ver as luzes de Natal. Aquilo nao é só passar lá e ver e está feito? Passr lá de carro até, sem parar. Ou passsar a pé e olhar, sem ser preciso ficar lá horas e horas a tirar selfies em frente à árvore. Não tinha noção que isto era assim uma atracção turística tão grande.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

#766

Odeio hibisco nos chás. Há muitos chás que têm hibisco na sua composição, essas misturas que parecem giras à partida. Mas vamos ver a composição e é sempre para cima de 40% de hibisco. Não sei qual é a obsessão com hibisco. Se calhar é barato. Ora o hibisco tem um sabor tão forte que quase camufla todos os outros sabores do chá. Por isso antes de comprar qualquer chá, vejo sempre se tem hibisco nos ingredientes e nunca compro se tiver.

#765

O pouco tempo que passei no facbeook este fim-de-semana lembrou-me que sou super pobre. Metade das pessoas estava em algum país de língua alemã, em mercados de Natal, a beber gluhwein. Já percebei que para se ser cool nesta altura temos de beber gluhwein. A outra metade estava a viajar para qualquer outro sítio. E depois sobro eu, que para além de ter trabalhado na sexta, não fiz nada de interessante o fim-de-semana todo, senão ver episódio atrás de episódio de Veep.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

#764

Pensando bem, a maioria dos problemas das pessoas resumem-se a dinheiro. Pode parecer outra coisa à primeira vista mas é só dinheiro. As pessoas estão infelizes no seu trabalho. Se tivessem muito dinheiro, poderiam despedir-se e procurar outro sem problema. Ou então nem trabalhar. O dinheiro resolvia. As pessoas chateiam-se porque os seus carros avariam. Se tivessem dinheiro, podiam simplesmente comprar um novo que não desse problemas. E trocar passado dois anos por outro carro novo e nunca terem problemas. As pessoas discutem com os maridos/mulheres porque a casa não está limpa e está tudo desarrumado. Se tivessem dinheiro, podiam ter uma empregada a tempo inteiro que tratava de tudo e já não havia mais discussões. Se desconstruirmos os problemas, vai quase sempre dar a dinheiro. Há raras excepções como problemas de saúde sem cura e falta de amor. Mas até o amor se resolve com dinheiro muitas vezes. É como se diz, não há ricos feios, não é? Por isso, estou a tentar desvalorizar os meus problemas e chatices e pensar que é só dinheiro, no fundo. Não vale a pena pensar muito nisso, chatear-me, ficar nervosa ou triste. É só dinheiro.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

#763

Eu antes queria muito um GPS. Aqueles da Tom Tom. Cheguei a ponderar gastar uns 100, centro e poucos euros nisso, mas acabei sempre por adiar, até porque só me lembrava disso quando precisava dele e não eram assim tantas vezes, só quando ia para fora. Entretanto apareceram os smartphones, eu acabei por comprar um e ter acesso a aplicações de GPS de graça. Noutro dia lembrei-me dessa situação e fiquei muito contente comigo, por não ter desperdiçado dinheiro num GPS que agora seria inútil. E pronto, foi este o único ponto positivo dos últimos dias, lembrar-me que poupei o dinheiro de um GPS. Será que o posso gastar agora em inutilidades, para me alegrar um pouco?

#762

Estou triste. Estou farta de aturar pessoas idiotas. Estou farta de trabalhar. Estou farta do Natal e ainda nem começou. Nem sequer me tem apetecido vir escrever no blog. Nota-se muito?

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

#761

Hoje é um daqueles dias em que só quero morrer. Tudo a correr mal, desde que ainda estava em casa até ao trabalho, tudo tudo a correr mal. Tenho ódio a sair-me pelos olhos, fogo a sair pelo nariz. Hoje era um dia bom para pegar na carteira, sair do trabalho, ir para o aeroporto, apanhar um voo e não mais voltar. Só quero que acabe rápido. Ir para casa e dormir até estar tudo bem.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

#759

Tenho visto muitos passatempos falsos no facebook. No espaço de dois dias, vi três scams iguais. Aqueles passatempos que clonam páginas de empresas e dizem que vão oferecer um carro, um iphone, coisas assim caras. As pessoas são iscos tão fáceis que partilham tudo sem espírito crítico, sem repararem que a página foi criada no dia anterior e que tem um nome estranho (fnac iphone 7). Eu divirto-me e revolto-me ao mesmo tempo, a ver esta situação. Divirto-me pelas razões óbvias, revolto-me porque não consigo perceber como há pessoas tão burras que achem mesmo que vão dar um carro novo, um Mercedes topo de gama como já vi!, só por porem lá um comentário com a cor que querem e partilharem a página. Eu comento que é uma página falsa, um passatempo falso, mas ninguém quer saber, continuam a partilhar. E depois ficam chateados quando percebem que afinal não, afinal não iam dar um carro. Oooohhhh. No início não estava bem a ver qual era a técnica deste scam para fazer dinheiro, mas bastou umas horas para entender. Umas horas mais tarde aparece um post que diz para carregarem no link para 'finalizarem' a participação no passatempo. As pessoas clicam, claro, e depois pelos vistos subscrevem um serviço qualquer, que não percebi de que era, por 4,10 euros, num dos casos. Sinceramente, acho que 4,10 euros é um preço bastante pequeno a pagar pela burrice. Acho que deviam pagar 50, 100 euros até, para abrirem os olhos e não acreditarem em tudo o que vêem.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

#758


Drift like a cloud and flow like water, seeing that all life is a magnificent illusion, a plane of energy, and that there is absolutely nothing fundamentally to be afraid of. Fundamentally. You will be afraid on the surface. You will be afraid of putting your hand in the fire. You will be afraid of getting sick, etc. But you will not be afraid of fear. Fear will pass over your mind like a black cloud will be reflected in the mirror.




Allan Watts

#757

Odeio o Windows 10. Porque é que tinham de tirar a opção de NÃO instalar as actualizações automáticas do Windows? Provavelmente porque ninguém queria essa trampa e se não obrigassem as pessoas a insatalarem, elas nunca o fariam. Agora temos mesmo de instalar, o sistema instala sozinho. É essa a razão de eu quase não conseguir usar o pc de casa. Eu chego a casa e às vezes pego no pc para ver alguma coisa rápida ou *comprar* filmes na internet. A maioria das vezes o estúpido desliga-se e começa a instalar as actualizações e nunca demora menos de 15 ou 20 minutos, entre download, reiniciar, etc. Eu acabdo por me fartar e uso o telemóvel. E isto repete-se constantemente. Eu não quero actualizações automáticas nenhumas, senhores da Microsoft. Não estou interessada, eu prefiro arriscar a minha sorte com os bugs e falhas de segurança e não perder horas de vida a instalar updates da treta. Acho que encontrei na net uma forma de parar com isso, mas ainda tenho de testar melhor. Mas podiam ajudar-nos e simplesmente pôr lá a opção Não instalar actualização automáticas e poupavam-nos andar pela deep web à procura de soluções. Humpf!

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

#756


#755

Trabalho numa zona industrial. Acontece que numa rua perto do meu trabalho, costuma estar uma prostituta. As pessoas daqui fazem piadas e gozam, mas nos dias em que calha ela estar na rua quando eu passo para vir trabalhar, fico só muito triste. Não acho qualquer piada à situação, acho triste que alguém tenha de chegar a esse ponto. Que tenha de estar na rua à espera que alguém apareça para ter sexo com ela. E fico triste por ter colegas de trabalho parvos que gozam com isso.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

#754

Vi esta notícia de manhã:





E fiquei logo a sentir-me mal. Assim uma espécie de enjoo, misturado com auto-comiseração. Triste. Muito triste.

#753

As pessoas na Amércia estão todas revoltadas porque o Trump ganhou. Mas foi isso, o Trump ganhou, com maioria de votos. Ainda que não seja maioria de votos populares, foi a maioria de votos. Acho que estamos muito pior em Portugal, onde o Governo usurpou o poder. Ganhou outro partido, outros partidos, mas eles, à traição, lá arranjaram uma solução manhosa para mandarem. Mas claro, como somos um país de mansos, toda a gente aceitou isso de bom grado.

#752


O Sapo contrata jornalistas e revisores muito bons, sem dúvida. Em minutos, vi estas duas gralhas em duas notícias:






O bem é um typo, mas o redesenha-se... por favor, burrice pura.


PS: e agora ainda vi ali mais duas palavras com espaços a menos que nem tinha reparado antes: Angelese e Shanghaino. Eles deviam mesmo apostar em bons revisores.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

#751

Notícias que provocam ataques com metralhadoras às repartições de finanças:


http://rr.sapo.pt/noticia/69011/informacoes_dadas_pelos_funcionarios_das_financas_nao_sao_vinculativas?utm_source=rss

#750

As pessoas (eu incluída) normalmente queixam-se que os camiões andam muito devagar. E realmente às vezes andam mesmo devagar, mais do que o que seria necessário. Mas o contrário é super pior: aqueles camiões pesados, pesadíssimos, que andam sempre em altas velocidades e fazem ultrapassagens malucas. Hoje cruzei-me com um desses a caminho do trabalho. Sempre em alta velocidade, a ultrapassar carros pela direita, a mudar de faixa constantemente, e, para terminar em grande, passou uma linha contínua e decidiu sair numa saída já quase em cima do separador. Super assustador mesmo.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

#749

E aquelas pessoas que são adultas mas ainda escrevem como se fossem crianças da escola primária?



#748

De certeza que toda a gente conhece algum caso de alguém com quem trabalha que até nem é assim muito inteligente, nem faz um trabalho fantástico, mas que os chefes adoram e que acaba por ser promovido em vez de outros que trabalham melhor. Normalmente são pessoas que se se sabem vender muito bem, apesar de serem iguais às outras todas, ou então pessoas de quem alguém gostou por sorte e os outros vão atrás, sem sequer perceberem as razões. Eu estive a reflectir neste assunto e percebi que não há nada a fazer. Para além de não haver nada a fazer no sentido em que não vamos andar a enxovalhar essa pessoa só para os outros perceberem que não é melhor do que ninguém, até porque provavelmente não resultaria e só ficaríamos mal, não há nada a fazer porque também vemos este problema em famílias e não há forma de se resolver. Sim, em famílias, pessoas que se conhecem bem, há vários casos (não o meu, que sou filha única, mas conheço casos assim) em que os pais gostam mais de um filho do que dos outros, sem razão aparente. Quando são adultos, às vezes até é esse filho que aparece menos vezes para visitar e que não se preocupa tanto com os pais como os outros, mas o favoritismo dos pais continua lá, apesar de tudo. E se isto é assim numa situação familar e é difícil mudá-lo, imaginem agora numa empresa, onde as pessoas se conhecem apenas superficialmente e a maior parte das vezes conta mais o que parece do que o que é.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

#747

Estou há algum tempo a tentar poupar dinheiro. Há meses que não comprava coisas para mim, que andava a reduzir os jantares fora, basicamente só me pertimita gastar dinheiro em coisas absolutamente imprescindíveis (água, luz, gasóleo, compras para casa, médicos). Tudo o resto era muito pensado e ponderado e só comprava se não fosse muito caro e se fosse uma coisa que eu gostasse mesmo muito e 'precisasse'. Mas há duas semanas tudo mudou. Fui ao shopping num sábado e o voltou aquela vontade de ter tudo. Apetecia-me comprar tudo, entrar nas lojas todas, ter coisas novas. Consegui ser mais ou menos comedida e comprei apenas umas blusas que me faziam falta e que já tinha decidido comprar, mas desde esse dia sinto que mudei. Tenho ido de novo às lojas online ver tudo, vou à hora de almoço ao shopping para entrar em lojas, pareço um junkie à espera de morfina para matar o vício. Já comprei um kispo e um casaco de malha novos... Preciso de ajuda para superar esta má fase. Aposto que é o Natal que está a estragar tudo para mim, só promoções nas lojas, e eu a ser bombardeada com emails, SMS, catálogos, folhetos. Tenho de ser forte. Maat, sê forte, não podes gastar o subsídio de Natal em trampas. Tens de guardar o dinheiro. Guardar o dinheiro. Guardar o dinheiro.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

#746

Precisava disto para me animar, que dia tão entediante.




Se calhar começo a beber ao almoço.

#745

Lembram-se quando eu vos disse que um dos momentos que eu gostava era quando os gatinhos vinham para a minha beira dormir quando eu estava quase a adormecer? Pois esta situação está a tomar proporções drásticas. Com o frio, os gatinhos estão constantemente em cima de mim. Mal eu me deito vem logo um e minutos depois aparece o outro a rondar até arranjar um lugar que goste. Antes de adormecer já tenho dois gatos a fazer-me peso, normalmente um de cada lado. Eu mexo-me para eles saírem e passado cinco minutos repete-se todo o processo. Acordo a meio da noite toda torta e numa pontinha da cama e os gatinhos muito bem instalados lá no meio. Tento que eles saiam mas parecem pedras muito pesadas, não se mexem. É preciso abaná-los com muito vigor para saírem. E passado uns minutos voltam a aparecer. Não posso fechar a porta porque a Mimi arranha a porta ininterruptamente até alguém a abrir e o Marco começa a deitar coisas ao chão na sala para se vingar. No sofá é a mesma coisa, vêem-me no sofá e vêm logo a correr deitar-se em cima de mim os dois. Já não contando com a cadela Maia que ocupa quase meio sofá também. Resumindo, estou a ser expulsa da minha própria pelos meus animais. E o que me preocupa é que estamos só no Outono. Só se prevê que isto piore com a chegada do Inverno.

#744

Ainda no tema séries, e isto é um bocado a conversa do costume, há séries novas fixes que vocês recomendem para eu ver? Das mais recentes só estou a ver Westworld. E vi um ou dois epis de Blindspot mas desisti.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

#743

'The Rock' eleito o homem mais sexy do mundo





Vamos todos morrer.

#742

Quando estou em casa, normalmente tenho a tv ligada num daqueles canais de séries. Não sigo nenhuma série lá, mas gosto de ter o ruído de fundo, conheço mais ou menos a programação e vou vendo assim por alto o que está a dar. Num desses canais, não me recordo agora qual ao certo, dá uma série chamada Forever. Ora eu ando a ver publicidade a esta série desde que tenho tv por cabo há dois anos e meio. E já vi bocados de episódios até. O que me surpreende foi quando eu fui saber mais acerca desta série e descobri que só tem uma season. Ou seja, eles andam a passar esta série há anos porque repetem-na ad eternum. São sempre os mesmos 22 episódios. Eu tinha noção que estes canais repetiam muitas vezes os programas, mas isto é um abuso.

#741

Já está? O mundo já parou de dramatizar com o facto de o Trump ter ganho? Podemos continuar a vida as usual?

terça-feira, 15 de novembro de 2016

#740

Ontem ouvi um ditado que há muito tempo não ouvia e está muito certo: mais vale cair em graça do que ser engraçado.

#739

Já repararam que 90% dos posts sponsored do Facebook são chinesices vendidas por lojas online portuguesas? Se repararem bem são casacos, vestidos, aparelhos, objectos, etc. que se encontram no ebay ou no chinês da esquina por um preço bastante menor. E o pior é que eu vejo bastantes pessoas interessadas em comprar. Casacos a 35 e 40 euros, que no chinês se compram por 15 no máximo. Já vi lá um porta telemóvel para usar no carro que custava 10 euros e eu já tinha comprado aquilo no ebay por 1 libra e portes grátis. Uma vez também vi uma promoção de um hotel que eu conhecia e o preço 'promocional' estava na gama de preços normais praticados pelo hotel. Aliás, bastava ir ao booking e simular uma marcação e ainda ficava mais barato 1 euro. Fico com pena das pessoas que caem na publicidade e acabam por pagar preços inflacionados ou então compram 'promoções' que não são promoções. Pelo menos eu ficaria chateadíssima se fosse comigo e se descobrisse. Pessoas, vamos abrir os olhos, sim?

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

#738

O Facebook devia ter um botão para modo de segurança. Eu sou assim uma espécie de 'a bull in a china shop' com o touch e então ponho likes e envio friend requests sem querer. Das várias situações que já me aconteceram, lembro-me de uma engraçada/trágica quando um amigo meu tinha uma namorada nova e ele fez tag dela num post e eu fui ver o perfil dela, sem sermos amigas e sem ela me conhecer, e sem querer fiz share de um post dela e só me apercebi disso muito depois. Que atire a primeira pedra a quem uma coisa semelhante nunca aconteceu. Se houvesse um modo de segurança, podíamos navegar à vontade sem estas coisas acontecerem e sem passarmos vergonhas.

#737


sexta-feira, 11 de novembro de 2016

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

#735

Há uma situação que me faz alguma confusão que é artigos que estão constantemente esgotados. Se eu fosse o produtor ou dono da loja quereria vender mais artigos e queria ter em stock os artigos que se vendem. Por exemplo, éclairs da leitaria da Quinta do Paço. A partir das 18h, é uma sorte terem. Eu entendo que neste caso é comida e não podem fazer muita coisa porque se sobrassem teriam de deitar fora, mas não podem fazer uma fornada mais pequena que dure até às 20h, quando a pastelaria fecha? Há sempre lá tanta gente, tantos turistas a quererem comer... Outro exemplo é ir ao Continente Modelo perto de minha casa num sábado à tarde. Prateleiras todas vazias. Será que eles ainda não perceberam que aos sábados há muita procura e que deviam ter pessoas a reporem os produtos nessa altura? É que se não há no Continente, há no Pingo Doce ou Lidl. Só estão a perder oportunidades de venderem mais.

#734

Já falei aqui dos Açores em relação ao tratamento dos animais. Há até quem lhe chame o Auschwitz dos animais. Pelos emails que tenho recebido de casos ed animais abandonados, maltratados, etc., em Felgueiras, diria que lá é Auschwitz dos animais no continente.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

#733

Compartilhar
verbo transitivo
1. Verbo parolo inventado através do uso da rede social Facebook.
2. Ser parolo no Facebook.

#732

Vamos arrumar com isto: o Trump ganhou, não estou surpreendida. Não quero dizer I told you so, mas é verdade que eu sempre disse que ele ia ganhar. A minha teoria é que as pessoas que respondem às perguntas do 'em quem vai votar?' têm vergonha de dizer que gostam mais do Trump e que vão votar nele, e então dizem que votam na Hillary. Mas depois com o boletim de voto à frente, quando ninguém está a ver, põem a cruzinha no Trump.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

#731

A propósito das eleições norte-americanas:


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, faz votos para que as eleições nos EUA decorram "com normalidade e civismo próprios de uma democracia muito antiga e muito forte".


A sério? Parece-me que os livros todos que lê em vez de dormir não lhe devem ter ensinado grande coisa. Democracia muito antiga? Desde o séc. XVIII? Isso não parece muito antigo para mim. Muito antiga é a Grécia, com democracia que data de uns séculos antes de Cristo. Dois séculos e pouco parece-me até bastante recente, mas podemos ter noções diferentes de 'antigo'.

#730

Agora que já ultrapassei a situação dos clichés, quero só odiar um bocado todas as pessoas que chegam atrasadas a tudo e que obrigam outras pessoas a esperarem. Portugal é mesmo um país de atrasados. Que costume tão irritante. Eu, que chego sempre a horas a tudo, apanho sempre seca à espera dos outros. Sempre. Não há sítio, compromisso ou pessoa que não me deixe à espera no mínimo 5 ou 10 minutos. Que raivaaaaa!

#729

Tem estado mesmo frio. Temperaturas de 8 graus em Novembro é muito baixo. Etc.




Também tinha de falar do frio, anda toda a gente a falar do frio. Hoje estou a dedicar-me aos clichés, como já devem ter percebido.

#728

*Post genérico sobre o Web Summit*


Se anda toda a gente a falar disso, eu também quero falar.  Pronto, já está.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

#727

Detesto pessoas gabarolas. Pessoas que aproveitam todas as oportunidades para se gabarem dos seus carros ou da sua casa enorme ou das férias. Para começar, isso parece coisa de novo-rico. Quem sempre foi rico, não tem necessidade de andar a espalhar a palavra. E para além disso, ninguém vai gostar mais ou menos de alguém por causa dessa pessoa ser mais rica ou mais pobre. Pensei até que isso fosse coisa dos yuppies dos anos 90, e já ultrapassada, mas não, conheci um espécime destes há pouco tempo.

#726

Aaahhh, é tão bom tomar um banho de Betadine Espuma e sentir-me mesmo desinfectada! Sim, apanhei tinha. O que vale fiquei só com uma mancha pequenina e acabou por passar rápido porque tratei logo. E não apeguei a mais ninguém. Mas às vezes estou com o gatinho dos meus amigos que me passou o fungo, por isso ainda tenho algum cuidado. Ele ainda está a fazer o tratamento, acabou por apegar a três pessoas e um cão, e não sei bem se o fungo ainda está na fase de transmissão, até porque a minha amiga tem uma mancha nova. Nunca fiando. Enquanto a embalagem de Betadine Espuma não acaba, tomo banho com isso uma vez por semana. E sinto-me mesmo limpa e desinfectada.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

#723

A primeira vez que tive um carro com computador de bordo fiquei fascinada com a informaçao sobre o consumo instantâneo. Fascinada e obcecada. Nos primeiros tempos (semanas ou meses até), tinha aquilo sempre a mostrar o consumo instantâneo e tentava sempre fazer um consumo baixinho. Evitava acelerar, andava semppre de forma muito cuidadosa para não ver lá valores muito altos. Que se sabe que é impossível, num arranque numa subida vamos ter sempre um consumo instantâneo de cerca de 30 l, durante 1 ou 2 segundos. No fundo, aquilo consumia-me. Depois de algum tempo a sofrer decidi mudar para outra informação para tentar esquecer as mágoas do consumo instantâneo e acabei por esquecer que aquilo existia, até hoje, nunca mais reparei nisso. Mas decidi partilhar esta experiência para o caso de haver outras pessoas que passaram pelo mesmo. Não tenham medo. Quem é que também já sofreu com o consumo instantâneo?

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

#722


Recebi hoje um email da CGD com uns cabazes de Natal. Primeiro, é lamentável ver ao ponto que os bancos chegaram, a venderem cabazes como se fossem uma mercearia. E segundo, aquilo parece-me um pouco overpriced. É o mais caro do catálogo, ok, mas 799 euros por isto?





#721

Nestes últimos dias, vi três documentários: Obesity: the post mortem; Before the flood; René Magritte. Ficam aqui as conclusões a que cheguei:




-tenho mesmo de fazer algum exercício
-o meu próximo carro vai ser híbrido ou completamente eléctrico
-fico feliz por ter deixado de comer carne vermelha
-tenho saudades das aulas de Literatura Portuguesa
-o Leonardo DiCaprio faz muito bem em preocupar-se com o ambiente, mas quase que apostava que pegada de carbono dele é bastante maior do que a de um comum mortal

#720

Desta vez, estou a tentar desvalorizar a mudança da hora e tentar minimizar as consequências. Normalmente é uma coisa que me aborrece bastante e sou capaz de andar dias e dias chateada com isso. Mas agora quero que passe quase sem eu reparar. O meu rádio-relógio foi meu amigo, ajustou-se sozinho, assim como telemóvel e computador, claro. Mas por mais que eu não queira dar muita importância a isto, vejam a lista de relógios que tenho de acertar:


-cerca de 14 relógios de pulso (podem ser menos caso a pilha de alguns deles tenha acabado entretanto)
-relógio da parede da cozinha
-relógio do forno (o do microondas já está sem hora definida para ser menos trabalho)
-relógio do carro (eu ia jurar que da última vez o carro ajustou a hora sozinho, mas desta vez vou ter de ser eu)
-relógio da sala
-dois relógios de ventosa das casas de banho


Por mais que eu não queira dar importância, é difícil passar despercebido. Para além de o meu corpo ainda estar na hora antiga, tenho acordado todos os dias uma hora mais cedo do que o que é suposto e fico às voltas na cama até ser hora de sair. Aguardo ansiosa o dia em que isto de mudar de hora vai acabar.

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

#719

Há 20 anos que os portugueses não poupavam tão pouco


Com taxas de juro de cerca de 0,5%, e até já vi depósitos a prazo com taxas de 0,1%, e com os bancos permanentemente em risco de falirem e de ficarmos sem nada, quem é que tem vontade de juntar dinheiro? Juntar dinheiro para vir um Salgadinho dar o golpe e ficarmos sem nada? Please.

#718

Acho que seria muito mais fácil promover o civismo na estrada se todos passássemos pelos vários papéis. Só comecei a ter mais atenção aos ciclistas depois de andar de bicicleta na estrada. E comecei também a ter mais cuidado a atravessar a rua depois de começar a conduzir. Se todos nos pusessemos por um bocado no lugar dos outros, sejam peões, condutores, ciclistas ou outros, seria mais fácil termos consciência dos problemas e limitações de cada um e seríamos mais civilizados com todos.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

#715

Eu vou comprando velas para usar lá em casa. Aquelas velas em copinhos de vidro. Algumas vezes são aquelas básicas do IKEA (primeira imagem), outras vezes são outras mais giras. O dilema acontece quando as velas acabam. O que fazer aos copinhos? Alguns são tão bonitos que não consigo deitar fora. Ora vejam aquela segunda imagem. Tenho alguns da Zara Home (segunda imagem) parecidos mas ainda mais fofos, com desenhos e relevos e com tampa e tudo. Mas também ainda não encontrei nenhum uso para eles sem ser reutilizar com outras velas que não tenham copo ou aquelas tealights. E não tenho assim tantas velas sem copo para reutilizar todos os copinhos vazinhos que tenho e as tealights não valem a pena, gastam-se muito rápido e não quero gastar o meu ordenado todo em velas. Alguém tem alguma ideia gira para reutilizar os copinhos e não ter de os deitar fora? Uma ideia que não seja deixar de comprar velas em copos que até aí eu já cheguei.



#714

Segundo apurou o Observador, Rui Roque terá concluído apenas as cadeiras de Programação de Computadores, Física I, Estatística e Métodos Numéricos, e Desenho e Métodos Gráficos. A primeira disciplina foi feita em 1998 e a última data de 2002. Estas cadeiras são do primeiro ciclo do plano de estudos pré-Bolonha do curso de Engenharia Eletrotécnica (uma das cadeiras poderá ter sido feita em Engenharia Física, o curso em que esteve inicialmente matriculado um ano).



Se calhar vou actualizar o meu currículo e adicionar uma licenciatura em contabilidade. Este senhor demorou 4 anos para fazer 4 cadeiras. Eu andei lá um semestre e pouco e fiz 7 cadeiras. Se calhar isto até equivale a um mestrado em contabilidade, é capaz de ser mais preciso. Licenciatura em Letras e mestrado em Contabilidade. É óptimo, porque assim consigo alargar imenso a minha área de expertise. Obrigada, Rui Roque.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

#713

Notícia: Educação física começa a contar para a média para Universidade.

Fogo, safei-me de boa. Se fosse assim no meu tempo, provavelmente não teria entrado na faculdade. Ok, teria, mas se calhar na segunda ou terceira opções. Hmmm, se calhar também não, na primeira opção na mesma, mas com média mais baixa. Bem, isto para dizer que eu odiava Educação Física. Era uma tortura ir para lá, fazer de conta que praticava desporto. Lembro-me que houve um ano que tinha duas horas às segundas-feiras, logo às 8h ou 8h30, quando começavam as aulas. Isto deve ser pior do que a tortura do sono que a PIDE praticava. Ir para a escola a pé, cerca de meia hora de caminho, com dois sacos pesadíssimos, um com o equipamento e itens para o banho e outro com livros e cadernos, para ter educação física à segunda de manhã, pela fresca. Ninguém merece. Malditos professores que fizeram esse horário! Para vocês verem como eu detestava essa disciplina, ainda hoje em dia tenho o mesmo pesadelo recorrente. Sonho que estou na faculdade mas que lá também tenho de ter educação física. Nããããããooooo! Eu tinha-me livrado disso para sempre! Como é possível?! Depois acordo suada e com o coração a palpitar de ansiedade e vejo que é um sonho e fico mais descansada. Mas depois tenho dificulidade em adormecer. Aquelas aulas traumatizaram-me mesmo. Especialmente as de ginástica. Por favor, eu sei lá fazer o pino ou saltar cavaletes. Eu gostava de Matemática e de Inglês. Não gostava de ir fazer figura de ursa para aulas de ginástica ou futebol. Lembro-me que até jogava mais ou menos bem andebol e marcava alguns golos, mas pufavô, ninguém merece. Eu era uma espécie de geek de 11 ou 12 anos. Odiava essa coisas todas alternativas, educação visual - venho para a escola aprender a fazer desenhos?? Isso faço em casa! -, trabalhos manuais - bordar?? a minha mãe ensina-me isso se eu quiser, e melhor! -, e desporto - eu ando de bicicleta com os meus amigos no meu tempo livre, esqueçam lá isso do basquetebol.

#712

Ainda ontem estive numa festa de jantar em que estavam pessoas muito simpáticas, imensa gente, a comida era muito boa, tudo muito bom, e não havia ninguém que falasse de um livro, de um quadro, do futuro a um nível superior. As pessoas contam as suas histórias pequeninas, do dia-a-dia, e nisso se completam, não tem mais ânsia do que essa.

Excerto da entrevista de Artur do Cruzeiro Seixas ao Observador

terça-feira, 25 de outubro de 2016

#711

PS quer subsídio para senhorios pobres com contratos de rendas antigas

Nem sei se ria se chore. Primeiro, não deixam os senhorios aumentarem as rendas para valores justos. Não é altos, é justos. Mas depois lembram-se de dar subsídios aos senhorios para os compensar. Isto só fará sentido na cabeça destes socialistas de meia tigela. Eu cá acho que estão todos dementes.

#710

Ontem estava desanimada e triste, se calhar por ser segunda-feira. Então fui ao outlet e comprei umas Skechers. Desta vez comprei umas pretas, só tinha umas com uns cordões coloridos mas já têm muitos anos e estão gastas, uso mais por casa ou saídas menos importantes, como ir às compras ou deitar o lixo ao contentor. Assim fico com umas pretas para sair. Gostam?



segunda-feira, 24 de outubro de 2016

#709

Adoro gatos Hitler <3











#708

Alguém se lembra do catálogo da D-Mail que entregavam nas caixas do correio, diria nos anos 90 talvez, late 90s? Boas risadas que dei à custa desse catálogo, era diversão na certa. Normalmente até o guardava na casa de banho para me ajudar a matar momentos mortos, quando já sabia os rótulos do shampoo e gel de banho de cor. Vendiam inutilidades super engraçadas, mas eu nunca comprei nada. Eram televendas por correio basicamente, mas melhor do que as da televisão porque nao tínhamos de esperar pelas 4h da manhã para ver. Fui procurar e vai-se a ver e ainda existem, mas chamam-se DMais agora. Aliás, têm até uma loja física que, não desfazendo, não entendo como vende. Vou lá espreitar para ver que engenhocas inventaram entretanto. Mas eu gostava mesmo era de receber o catálogo de novo!

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

#707


#706


Já falei aqui muitas vezes de problemáticas de cabelos e cabeleireiros, mas parece que eu estou fadada para estas peripécias. Pelo menos tenho sempre histórias divertidas para contar, não é? O que foi desta vez? Mais uma vez fui a um cabeleireiro, com um pedido simples, e mais uma vez saí de lá com vontade de lhes espetar as tesouras nos olhos. Não fui ao barato, fui a um cabeleireiro que já tinha ido uma vez e que até tinha corrido bem e do qual tinha boas referências de colegas. O meu pedido era bastante simples, não mexer à frente e cortar atrás só. Parece simples, não parece? Errado. Saí de lá com o cabelo super mais curto à frente, a diferença para trás é praticamene imperceptível e ainda trouxe a franja torta e tive de acertar em casa. Quando falei depois com as colegas que mo tinham recomendado, elas confessaram que não gostavam do gay que corta o cabelo mas sim da rapariga. Ok, então foi esse o meu erro, ter sido atendida pelo gay e não pela rapariga. Certo. Foi só azar então. Resumindo, tenho um penteado que não queria, cabelo incerto e tristeza infinita por cair nos mesmo erros sempre. Para além do ódio a todos os cabeleireiros do mundo que são burros que nem portas e não conseguem executar um simples pedido na sua área de especialidade.
Mas tenho também um plano. Tirar um curso de cabeleireiro, abrir um salão e cortar o cabelo como as pessoas pedem exactamente. Para saírem de lá felizes e a quererem voltar. Tenho imensas ideias para nomes para o salão: 'como você pediu', 'trabalho bem feito', 'cortamos o cabelo bem', 'exactamente o que queria'. Acho que dá para entender a ideia.

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

#705

Não sei se é engano ou se é opção, mas o Cafe Society do Woody Allen que estreou ontem está apenas em duas salas na área do Porto, nos cinemas NOS. Em duas salas, de seis que eles têm. Não dá para entender. Filmezitos de caca que estão sempre a sair estão em exibição em quase todas as salas, mas um filme do Woody Allen, especialmente agora que parece que ele recuperou da sua insanidade mental, está só em duas salas, e secundárias, nem está nos shoppings mais populares. Não entendo mesmo, até porque o Woody Allen é mainstream há muito tempo, de certeza que muita gente vai querer ver.

#704

Dúvida da semana: é a música que influencia o nosso estado de espírito ou é o nosso estado de espírito que determina a música que nos apetece ouvir? Quando estamos tristes apetece-nos ouvir música deprimente ou ficamos tristes em primeiro lugar porque ouvimos música deprimente? Ou não se sabe bem onde começa e é um ciclo vicioso infinito?

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

#703

Eu até percebo que as empresas gostem de estimular o trabalho em equipa, e por isso se acabe por cair naquelas tangas dos team buildings e tal, mas responder a inquéritos, que normalmente até são anónimos e confidenciais, em equipa se calhar já é demasiado, não?

#702

Há muitos séruns/shampoos/outros produtos para o cabelo que anunciam reparar as pontas estragadas. Não entendo é como. Colam-nas? Please. Alguém acredita nisso mesmo? O único remédio que conheço para as pontas estragadas é cortá-las.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

#701

Notícia: DBRS admite cortar rating de Portugal.

DBRS são as iniciais de Dominion Bond Rating Service. Digam lá se não parece o nome de uma dessas evil corporations tipo a Umbrella ou a SPECTRE que só querem dominar o mundo. Dominion. Acho que não é preciso dizer mais nada.

Ou então também me lembra aquela música dos Sisters of Mercy, Dominion/Mother Russia. Será que o Putin anda metido nisto também? The plot thickens.


#700

700 posts merecem dois gatinhos para celebrar.


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

#699

A partir de que idade é aceitável não dar lugar aos mais velhos para se sentarem? E a partir de que idade é que os mais novos devem começar a dar-nos lugar a nós? Ando atormentada com isto. A partir dos 30 já temos alguns privilégios ou continuamos a ter de dar lugar aos mais velhos e a não ter os mais novos a levantarem-se para nos sentarmos, basicamente a sermos lixados por todos?

#698

É muito antigo, mas rio-me sempre. E bem que preciso de boa disposição.



sexta-feira, 14 de outubro de 2016

#697

Ora bem, lista de compras para o fim de semana:

-40 latas de conservas
-15 pacotes de bolachas
-15 garrafões de agua
-10 pacotes de leite de aveia
-5 chocolates para os momentos de depressão
-20 pilhas AA+20 pilhas AAA
-2 sacos de 15 kg de ração extra para os animais

Falta só confirmar se realmente existe um rádio a pilhas e lanternas, senão as pilhas serão inúteis. Senão acrescentar estes itens na lista.

De resto, tenho em casa cerca de 300 livros, várias revistas que ainda não li e comprei ontem um Monopoly Empire no Jumbo que estava em promoção (para quem estiver interessado custou 16 euros, e não é publicidade), por isso entretenimento não me deve faltar nos próximos meses, ainda que falte a luz e a internet para ver os meus DVDs e entretenimento disponível em banda larga.

E depois estarei preparada para uns meses de guerra.

#696

As relações entre Moscovo e o Ocidente estão cada vez mais tensas e azedas. "Estamos a entrar numa era talvez ainda mais perigosa do que a Guerra Fria", defendeu ontem, em entrevista à BBC, John Sawers, ex-líder do MI6, agência de serviços secretos britânica para o exterior.

Na entrevista que deu à BBC, Sawers, ex-MI6, sublinhou que as declarações do ministro britânico podem pôr em perigo a segurança dos diplomatas na Embaixada do Reino Unido em Moscovo.

O líder russo esteve nesta semana na Turquia e os dois chefes de Estado retomaram os planos para a construção de um gasoduto.


Sinto-me num filme do James Bond. E sim, estou a obcecar com esta situação.

#695

http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/comunicacao-social-russa-alerta-para-conflito-global-por-causa-da-siria

O Putin vai acabar com esta merda toda. É começar a juntar conservas, águas e pilhas para as lanternas e rádios portáteis e fazer as despedidas.

Isto lembra-me esta música da minha adolescência dos Underground Sound of Lisbon.

The end of the earth is upon us. Pretty soon it'll all turn to dust.



PS: desculpem a formatação manhosa, mas não consigo arranjar. Não sei o que se passa com o blogger. Acho que dois links no mesmo post já deve ser abusar e o blogger amua.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

#694

Em cada geração, pressupõe-se que os filhos sejam uma versão melhorada dos pais. Os filhos naturalmente vão saber mais do que os pais, até porque vai havendo melhoria das condições de vida, de educação, etc. Se os nossos pais nos ensinaram a estrelar ovos, nós devemos saber estrelar ovos e ainda assar peixe no forno. Se eles nos ensinaram a trocar uma lâmpada, nós devemos conseguir também mudar-lhe o casquilho. Se os nossos pais são racistas, e até os vimos a vida toda a agirem assim, nós devemos saber que as pessoas são todas iguais, independentemente da raça ou da cor da pele. E não vale culpar os pais por nos terem ensinado assim. Nós que temos mais educação, mais meios, mais informação, mais liberdade, mais tolerência, mais tudo, devemos perceber por nós próprios que não é por alguém ser negro que é diferente. Faz-me confusão pessoas que estudaram, que têm cursos superiores até, e que depois têm mentes pequeninas, que são racistas, são contra o casamento de homossexuais, são contra o aborto e muitos outros assuntos do género, porque foram ensinadas a serem assim pelos seus pais, ou então não foram necessariamente ensinadas assim mas copiaram o comportamento que viam nos pais, mas que não conseguiram ir além disso pela sua própria cabeça. Os meus pais também não me ensinaram a ajudar animais, eram assim digamos que neutros nesse assunto. Eu é que me apercebi à medida que fui crescendo e vendo várias situações que os animais são seres indefesos no nosso mundo e que precisam que os ajudemos. E eu própria acabei por sensibilizar os meus pais para este assunto. Temos de ir sempre um pouco mais além, não podemos ficar presos em mentalidades dos anos 50 ou 60. Os pais não nos ensinam o que devemos pensar, eles dão-nos as ferramentas para nós fazermos os nossos próprios julgamentos.

#693

Sextas-feiras normalmente são o dia da publicidade. Recebo toneladas de SMS de variadas lojas a anunciar descontos, promoções, reduções, saldos, tudo e tudo. Agora começam a antecipar para as quintas, só até agora já recebi três. Deve ser para prolongar ao máximo o fim de semana.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

#692

Eu sei que disse que gostava de levar o carro à marca, e mantenho a minha opinião, mas poça, a Auto Sueco do Porto tem grandes deficiências em termos de atendimento. Não tenho queixa em relação ao serviço prestado, tudo impecável até agora, mas já lá fui algumas vezes e é sempre um filme para falarmos com alguém que saiba o que queremos. Nunca somos atendidos à hora marcada, se queremos falar com a oficina é impossível, a moça que atende o telefone nunca sabe de nada e diz que liga de volta e esquece-se de nós para sempre, orçamentos é outro filme... Aquilo nota-se que é assim um bocado confuso e que as pessoas que falam com os clientes precisavam de ter mais formação, mais conhecimento, de falar mais entre si, com os colegas da oficina, ter acesso ao sistema, enfim, uma lista de coisas que é demasiado grande para enumerar. A sorte deles é não haver concorrência aqui na zona do Porto, o local mais perto de assistência oficial que eu conheço é em Braga e ninguém do Porto vai para Braga para fazer revisões. Sempre que tenho de lhes ligar, benzo-me antes, porque já sei que vou precisar de muita paciência.

#691

Hoje em dia, depois de vários anos de experiência a comprar coisas variadas, estabeleci algumas regras para me facilitar a vida e evitar comprar coisas que depois não vou usar ou que se vão deixar de usar facilmente. Há coisas que só compro de boa qualidade: calçado-só em pele e/ou de marca, malas e porta-moedas-pele e/ou de marca, relógios-de marca, óculos de sol-de marca, bijuteria-de prata, até porque sou alérgica a outros metais. Casacos depende, tenho alguns melhores mas também tenho casacos baratos, desde que tenham bom corte. Roupa propriamente dita, compro o que gostar mas de preferência barato. Não tenho quase roupa nenhuma de marca hoje em dia porque cheguei à conclusão de que não vale a pena. As poucas peças que tenho são apenas camisas, porque aí nota-se que ficam melhor. Mas a roupa no geral deixa de me servir, deixo de gostar de me ver com ela, e acaba por ser para dar por isso não compensa gastar muito dinheiro. Compro várias vezes na Primark, Modalfa, Code ou até na feira, lá está, desde que a roupa tenha um bom toque e um bom corte, não seja tipo aquelas peças que são só quadrados de tecido cosidos a direito. Não me interessa que custe 5 ou 10 euros, desde que eu goste e me fique bem. Provavelmente será para usar apenas uma estação, quase nem terá tempo de ficar velha. Já numa carteira não me importo de gastar 100 euros, desde que seja um clássico, que se vá usar sempre, em pele ou num material durável, para durar a vida toda. Para uma calças de ganga 30 euros já acho caro. E com uma mala boa, umas sapatilhas giras e uns óculos de sol com estilo, podemos perfeitamente usar umas calças de ganga de 10 euros e uma t-shirt de 5 euros que vamos sempre parecer bem. Os acessórios não saem tão facilmente de moda, não deixam de nos servir porque engordamos ou emagrecemos e duram imenso, por isso são um bom investimento. Isto tudo porque o F. disse que queria comprar uns chinelos de quarto bons e eu achei aquilo absurdo. Chinelos gastam-se rapidamente e duram um ano, dois no máximo, quer custem 3 euros ou 15 euros, e na minha perspectiva não compensa investir nisso. Comprei 3 pares de chinelos por 5 euros na feira. Nem que cada par dure apenas um ano, tem chinelos para 3 anos.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

#691


#690

Então o Valter Hugo Mãe já usa maiúsculas e ninguém avisa? Não sai uma noticiazinha, nada? Tenho de descobrir isso por acaso num anúncio na tv? Tsss tssss.

#689

Engraçado como toda esta história dos taxistas e da UBER me está, a mim como a muitas outras pessoas, acredito, a fazer odiar os taxistas. As pessoas já não tinham grande impressão deles antes de tudo isto, os passageiros e os outros condutores na estrada especialmente, e agora estão a alastrar essa má imagem a toda a gente. E eu não costumo andar de táxi, por isso não me podia queixar dos seus serviços. Mas a má imagem alastra muito rápido. Aliás, eu agora vejo um táxi e nunca deixo passar quando estou a conduzir, quando antes até fazia o jeito porque estavam a transportar passageiros e a trabalhar, etc. Mas é muito mau, é tudo muito mau. Eu tenho até um plano que é registar-me na UBER e transportar-me de UBER para sítios com um stock de ovos. Se algum taxista vier fazer as palhaçadas do costume, atiro-lhe ovos a ver se gosta também. Por via das dúvidas, se calhar levo também umas botas de biqueira de aço e/ou um bastão, para o caso de passarem para a violência, que também uma coisa que eles costumam fazer. Acredito que haja alguns taxistas que tenham vergonha de o serem agora. E com razão.
Era só isso, vim só aqui dizer o óbvio, ainda não tinha desabafado sobre este assunto e isto até é um blog de clichés e tal.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

#688

Sabem aquele triângulo sobre as mulheres, em que apenas podemos escolher duas das opções? Este:


Pois eu inventei um sobre o trabalho. Mas não é um triângulo, é um quadrado, mas também só podemos escolher duas opções. Querem jogar?


#687

http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/afinal-turquia-nao-quer-membro-da-ue-76395#gs.Ul9BeKw

Espertos.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

#686

Como o fim de semana está à porta, hoje tenho uma coisa mais leve e engraçada para vocês. É um jogo. Reparem na imagem abaixo. Qual deles é um vestido e qual é uma fronha de almofada?



quinta-feira, 6 de outubro de 2016

#685

Sabem aqueles cremes hidratantes com cor, ou os BB cream muito em moda hoje em dia, que têm apenas uma cor que dizem que dá para todos os tipos de pele? Pois é mentira. Eu que tenho pele clara uso isso e parece que ponho uma máscara laranja acastanhada. Por isso se têm a pele clara, não caiam nesse engano como eu já caí algumas vezes. E mesmo os que têm duas cores disponíveis também não são adequados, porque a cor mais clara é sempre mais escura do que o que devia ser. Se têm pele clara comprem sempre a versão do creme que querem sem cor, se não querem parecer o Batatinha em dia de espectáculo.

#684

Gosto de cinema espanhol. Já vi bastantes filmes ao longo da minha vida e gostei sempre de todos. Devia apostar em conhecer mais filmes, actores, realizadores.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

#683

Ainda alguém acredita naquelas fitas adesivas que supostamente não estragam a parede quando queremos tirar? Melhor, alguma vez alguém usou uma coisa dessas e de facto não estragou a parede? Eu não conheço nenhum caso. Ou isso é tudo uma grande tanga ou as paredes de minha casa são uma cagada, pois vem sempre uma quantidade gigante de tinta e às vezes até a massa agarrada ao adesivo quando tento tirar os quadros que foram pendurados com o adesivo mágico que não estraga nada.

#682

Um destes dias troquei de carro com o F., porque tinha pouco gasóleo no meu e não tinha tempo para ir à bomba antes de ir para o trabalho. E eu, que sou uma rapariga simples não habituada a luxos, senti tanto a falta dos meus comandos do rádio no volante, do cruise control, do apoio do braço... Não costumo ser nada adepta dessas modernices todas nos carros, se comprasse um carro novo agora iria ser forreta nos extras, mas caramba... uma pessoa habitua-se ao conforto e depois é complicado ter um downgrade.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

#681

Diz-me a a que restaurante vais e dir-te-ei quem és.

-rodízio/brasileiros/picanha
Estas pessoas adoram ver o reality show do momento, seja a Casa dos Segredos ou o Big Brother e adoram falar disso. Normalmente são pessoas doentes que metem muitas baixas no trabalho. Gostam também de unhas de gel bem grandes, madeixas loiras e leggings.

-sushi
São pessoas que começaram a gostar de sushi há pouco tempo e até preferem as peças que têm mais fruta do que peixe. Querem ser in como os restantes amigos que gostam de sushi, mas não gostam assim tanto como eles nem têm assim tanto dinheiro como eles e por isso vão aos restaurantes de sushi baratos onde há all you can eat buffet por 15€ e já podem dizer aos amigos que ontem comeram um sushi que estava fantástico!

-sushi, mas sem ser de fusão
Estas pessoas já gostavam de sushi antes de estar na moda. São os puristas, que não caem nessa de o sushi ter fruta lá no meio. Costumam ter dinheiro, até porque os restaurantes de sushi tradicionais são caros. E é preciso ter um palato mais apurado para gostar de peixe cru por si só.

-pizza/tascos baratos
São estudantes ou trabalhadores-estudantes na maioria. Não têm muito dinheiro por isso vão a restaurantes baratos. Não se interessam muito pela qualidade da comida de qualquer forma, mesmo porque ao terceiro copo já nem notam, e é mais importante que o menu inclua vinho/sangria/cerveja à discrição.

-hamburgueres gourmet/tapas
Pessoas que querem ser super da cena e que se esforçam por ser cool. Querem ser vistos nos restaurantes da moda para as pessoas pensarem que são muito fixes. Mas no fundo, aquilo são só hamburgueres banais e comida overpriced em pratos pequenos.

-restaurantes de comida tradicional
Portugueses tradicionais, provavelmente de bigode, que não gostam de entrar em modas e se é para ir jantar fora, é para comer um bom bife ou um bacalhau, assado de preferência, não quero cá isso do peixe cru ou comida em pratinhos de brincar.


Disclaimer: é só uma brincadeira, não fiquem ofendidos. Eu própria me incluo ali na categoria do sushi de pobre. E um bocado na dos hamburgueres gourmet/tapas.


sexta-feira, 30 de setembro de 2016

#680

E quando os correctores dos telemóveis nos pregam aquelas partidas de mandarem palavras completamente estranhas à conversa que estamos a ter? A mim acontece-me muito o 'pelo' quando estou a tentar escrever ok. 'então fica combinado o almoço amanhã? Pelo.' Ou então 'afagava' quando tento escrever um 'ahahaha' divertido. Ou então 'clérigo' em vez de 'blergh'. 'não gosto nada de pessoas que cheiram a suor. Clérigo'. E muitos outros exemplos disparatados. E muitas vezes acontece-me tentar corrigir e enviar novamente a palavra errada. O corrector do telemóvel também já vos deixou ficar mal?

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

#679

Quem já teve anúncios no OLX/Custo Justo ou tentou comprar alguma coisa através destes sites sabe que lá acontecem dois fenómenos. Um é que as coisas que estamos a vender desvalorizam imenso. Vamos imaginar uma aparelhagem. Se a compraram por 200 euros e pedem 100, um preço já baixo para uma aparelhagem nova e com pouco tempo de uso, as pessoas que vos vão contactar vão oferecer-vos 50 euros. Normalmente, neste formato ’50 euros e vou buscar amanhã’. Os interessados oferecem sempre cerca de metade do valor que estamos a pedir, por mais baixo que o preço esteja.
O segundo fenómeno é a valorização extraordinária dos artigos para venda. Já cheguei a ver artigos usados mais caros do que se comprássemos novos na loja. Quando vendem, as pessoas recusam-se terminantemente a perder dinheiro, ainda que o artigo tenha desvalorizado imenso e valha agora quase nada. Se o compraram a 100, vão vender a 80, nem que agora se compre igual novo por 50. Provavelmente acham que acrescentaram a sua experiência de vida ao artigo e os compradores devem pagar mais por isso.



Exemplo após uma rápida pesquisa, mas há mais que eu já vi:




#678


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

#677

As actividades de team building são uma tanga tão grande como o empreendedorismo ou aquelas palestras da treta sobre a auto-motivação. Males do mundo corporativo.

#676

Há um mistério que há alguns anos me assombra: os números das portas. Às vezes vemos casas coladas umas às outras, sem possibilidade de se construir uma casa lá no meio ou mesmo abrir uma porta nova numa dessas casas e uma é o número 134 e a outra é o 142. O que aconteceu aos números 136, 138 e 140? Isto acontece em muitos casos, costumo reparar nesta situação, e acho que tem tendência a acontecer mais agora, as casas antigas tinham os números mais seguidos e hoje em dia há números mais espaçados em casas contíguas. Alguém que trabalhe num departamento de planeamento do território ou de gestão urbanística que me explique por favor.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

#675


Indicador (seguro) de pessoas de esquerda: pessoas que usam sacos de pano como carteira, quer sejam homens ou mulheres. Se calhar porque são contra o capitalismo dessas lojas que vendem carteiras, esses fascistas que só querem dinheiro e não se interessam pelo proletariado.




PS: tirei a foto da internet, apenas para exemplificar. Se tiver direitos de autor ou whatever, avisem que eu retiro.

#674

Estou viciada em Água das Pedras. Mas antes isso do que andar nas drogas, não é?

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

#673

Taxistas vão pedir indemnização de seis milhões de euros à Uber

Gostava de saber o que vão fazer com esse dinheiro caso ganhem. Será que a Antral, preocupadíssima com os seus associados, o vai distribuir equitativamente por eles? Ou os protestos, birras, palhaçadas a que temos assistido por parte dos próprios taxistas vai apenas servir para encher os bolsos à associação? Isso era tão giro que até gostava que ganhassem. Depois era vê-los a atirar ovos e cocó à sede da associação.

#672

Normalmente não deliro com o Verão. Gosto de algum calor, mas calor em demasia aborrece-me. Este Verão não. Não sei bem porquê, mas este Verão soube-me bem. O Verão, o calor, o sol. Acho que pela primeira vez usei todos os meus vestidos, os meus calções e quase todas as saias. Andei meses e meses sem vestir umas calças e que bem me soube. E nem tive saudades dos meus casacos, o que também não é normal. Mas agora que o tempo começa a ficar mais fresco, estou a sentir a dificuldade da mudança. Começo a usar calças, mas aquelas finas, ainda não consigo usar calças de ganga, sinto que me apertam imenso, sinto-me aprisionada. Pela primeira vez que me lembro, quero mais Verão, mais calor, quero andar sempre de vestido e de sandálias. Também podia usar no Inverno, claro, mas aborrece-me ter de calçar meias, por isso é sempre mais fácil usar calças e pronto. Para além de serem mais quentes, quando está mesmo frio. Hoje pela primeira vez vesti uma camisa de mangas compridas. Larguei as t-shirts e os tops. É o primeiro sinal de que o Outono está aí. Eu gosto de Outono, mas ainda não. Este ano, ainda não. Preciso de mais tempo para me adaptar.

#671

Pessoas reles que põem comida a animais de rua com anzóis, pregos, outros objectos cortantes ou veneno: vocês não valem uma merda, e espero que o universo vos retribua em dobro o mal que fazem.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

#670

Desde que somos pequenos e vemos filmes de super-heróis, sonhamos tambem em sermos nós próprios super-heróis e ter um super poder. Alguns querem voar, outros querem ter super força, telecinese, teletransporte, super inteligência, tanta coisa, tanto por onde escolher. Eu nunca consegui escolher o super poder que queria, parecem todos tão espectaculares, mas o universo encarregou-se disso. Desde a semana passada que tenho o poder de oxidar metais. Sim, leram bem, o meu super poder é conseguir oxidar metais apenas com o meu corpo. Pulseiras que até agora eram branquinhas e brilhantes em menos de uma semana transformaram-se em montes de metal preto, prontos para irem para o lixo. Não estou a ver agora um uso para o bem deste meu super poder, mas de certeza que vou arranjar alguma coisa. Por exemplo, pegar em armas dos mauzões e oxidá-las de forma a que não as queriam usar. Ou então uso o poder para o mal. Abro uma sucata, e vou pelo mundo fora a oxidar metais que depois virão parar à minha sucata a um décimo do preço. Ou também posso montar um negócio de limpa-metais Coração e fico rica de vender tantas latas. Tantas oportunidades! Mas enquanto isso não acontece, vou-me entreter a limpar as minhas pulseiras de prata.



#669


quinta-feira, 22 de setembro de 2016

#668

Odeio fungos. Infelizmente já tive duas situações com fungos no passado. A primeira, era eu adolescente, peguei num gatinho pequenino de rua ao colo e uns dias depois começaram a aparecer-me manchas vermelhas na pele. A segunda foi quando o meu gato veio para minha casa, bebé, apanhado da rua também, e passado umas semanas percebemos que ele tinha um fungo e que nos tinha apegado a nós e à nossa cadela. A doença era tinha, das duas vezes. É este o nome popular, penso que o nome mais científico é dermatofitose e sei que é uma micose provocada por um fungo. Mas posso dizer que é uma chatice e que é um tratamento prologado, quer para os animais, quer para as pessoas. Depois de ter apanhado este fungo pela primeira vez, fiquei um bocado paranóica com fungos. Evito tocar em animais de rua, e tenho sempre cautela quando toco num animal que não conheço, lavando sempre as mãos a seguir, especialmente antes de tocar nos meus animais, para também não lhes transmitir nada. Acontece que uns amigos meus recolheram um gatinho peqeunino há uns dias e eu fiquei toda entusiasmada. Olhei para o gatinho e não me parecia ter fungos, agora que já sei mais ou menos como é que os animais ficam com essa doença. Peguei nele, super fofinho, colinho, miminhos, etc. Entretanto eles levaram-no ao veterinário uns dias depois e... ele tem tinha! Nãããããooooo. Isso não, outra vez não... Fui a correr comprar Betadine espuma e Nizoral e tenho tomado banho com estes produtos nos últimos dias. Já estou cheia de comichão por todos os lados, mas tenho esperança que isso seja apenas impressão, por ter sabido da notícia. Espero que ele não me tenha apegado nada, estou super traumatizada com isso e a última coisa que preciso agora é apanhar um fungo mais uma vez. Bem, ao menos vou ter uma desculpa para não tocar em ninguém nos próximos tempos, não há cá mais beijinhos nem cumprimentos até eu ter a certeza de que não tenho nada. Ou até ser tratada, caso tenha. Raios!

#667

Eu já nem digo darem o pisca quando mudam de faixa, eu já só peço que os condutores olhem e se certifiquem que não está nenhum carro ao seu lado quando mudam de faixa. Entre ontem e hoje já me aconteceu três vezes quase levar com um carro em cima porque as pessoas querem mudar de faixa e simplesmente fazem-no, sem olhar.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

#666

I love the smell of kitty in the morning.

#665

É curioso como na maioria das empresas quando se fala de férias parece que estamos a pedir para nos emprestarem um milhão de euros. É sempre muito difícil tirar férias, quer seja no verão ou no inverno, quer todas as outras pessoas estejam a trabalhar ou de férias, todos os chefes torcem o nariz à palavra férias. Chateia-me um bocado esta atitude, porque férias são um direito e um dever (é obrigatório tirar férias por lei, não se pode prescindir delas) que os funcionários têm e não lhes estão a fazer favor nenhum. Os funcionários têm férias porque já trabalharam o tempo suficiente para ter as ditas férias. Vamos deixar-nos de dramas. Como já se sabe, ninguém é imprescindível, nem no caso de se irem embora de vez, por isso penso que poderão aguentar uma ou duas semanas sem um funcionário. Vamos deixar de dramatizar, são só férias.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

#664

Dúvida da semana: o Pedro Chagas Freitas é uma espécie de Nicholas Sparks português?

#663

Tenho saudades de ir ao cinema. Já não vou há meses e mesmo assim agora vou lá esporadicamente, não vou com a periodicidade que ia há dois ou três anos atrás, especialmente porque o meu horário de trabalho agora não me permite usufruir daquela sessão do final da tarde que é a minha favorita. Vou aproveitar o fim de semana par ir ver uns filmes, se conseguir. Don't Breathe, que anda nas bocas do mundo, Mechanic: Ressurection, um guilty pleasure meu que adoro o Jason Statham (acho que é por ser um bad boy com sotaque britânico), e o Suicide Squad, um dos flops do ano mas que tenho de ir ver para depois poder falar mal. Aguardo ansiosa o Café Society, mais um do Woody Allen que vai ser igual aos outros todos e que não vou gostar mas que também tenho de ir ver (se bem que os últimos têm melhorado um pouco) e o novo do Pedro Almodóvar, um dos meus realizadores preferidos, adooooooro os filmes dele.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

#662

Ainda alguém usa leitores de MP3, para além de mim? Mais um aparelho obsoleto.

#661

E agora para algo completamente diferente:


Eu não sou especial fã de vídeos, no geral, mas tenho de confessar que este foi muito engraçado. Especialmente porque é exactamente o que a minha cadela faria. Aliás, a minha provavelmente nunca chegaria ao fim, só se eu a arrastasse.
Adoro o ar dele no final, assim a olhar para trás com ar de quem sente que está a perder alguma coisa.

#660

Pessoas de fototipos de pele III e superiores (ou seja, resto do mundo) que chateiam constantemente pessoas de fototipos de pele I e II (eu) por irmos de férias e não ficarmos morenos: não querem ir, sei lá, ao Iraque, ver se eu estou lá e deixar de me chatear? Se calhar, isso de ficar moreno não é assim tão importante. Se calhar era mais importante que fossem boas pessoas, que fizessem bem o vosso trabalho, que fossem bons progenitores, que fossem amigos dos animais, que ajudassem o próximo, que limpassem a vossa casa... Sei lá, podia ficar aqui o dia todo a enumerar coisas mais importantes do que ficar moreno. Simplesmente nós, pessoas de pele clara, não ficamos muito morenos. Até porque temos cuidados extra com o sol e não apanhamos sol a horas perigosas e pomos sempre protector solar FPS50 para não ficarmos queimados e para não parecermos 60 quando tivermos 45 por causa da pele envelhecida. Consigo viver bem com isto tudo e com o facto de ficar pouco morena, ok? Agora parem de chatear!


PS: post publicado com um pouco de atraso, estava nos rascunhos há algum tempo esquecido, mas no fundo é actual porque há sempre gente a voltar de férias, ainda que não seja eu.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

#659


#658

http://lifestyle.sapo.pt/saude/noticias-saude/artigos/quimicos-proibidos-em-sabonetes-antibacterianos-sao-vendidos-na-europa




Não sei se esta notícia se aplica apenas a sabonetes sólidos ou se se aplica a todos os tipos de sabonete. De qualquer forma, eu não uso sabonetes sólidos há cerca de um ano, desde que li um estudo que dizia que acumulavam muitas bactérias. Deitei os sabonetes sólidos todos ao lixo e agora só uso sabonetes líquidos. Sou um bocado obcecada com problemáticas de bactérias e micróbios. Se soubessem o nojo que tenho de ir aos multibancos e usar aqueles teclados cheios de dedadas de pessoas... No inverno é fantástico, porque vou de luvas e não tenho de tocar lá com os meus dedos.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

#657

Tenho um anúncio no OLX que até agora teve zero mensagens de contacto. Recebi um daqueles emails para sugerir que eu pagasse para pôr o anúnio no top porque assim teria 4 vezes mais contactos do que os que tive. Ora bem, 4 x 0 = 0, por isso não me parece que valha a pena.

#656

Quase todos os dias quando vou a caminho do trabalho passam por mim carrinhas de uma empresa de entrega de mercadorias com uma condução agressiva. Colam-se aos carrros, ultrapassagens perigosas, excesso de velocidade, isso tudo. E não é sempre a mesma, porque eu vejo as matrículas. Semana passada quando vinha para o trabalho de manhã passei por um acidente e quem é que estava lá? Uma dessas carrinhas, que tinha batido no carro da frente. Nada de grave, aliás, nem vi nada amolgado, mas para estarem parados alguma coisa devia ser. Quanto mais não seja, foi um transtorno. Apetecia-me ter aberto o vidro e ter dito ao tipo 'pois, devias ter mais cuidado', mas fiquei só a rir-me por dentro.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

#655

Choca-me como as pessas conseguem fazer juízos de valor quando se fala de maternidade. Assunto que desconheço e que gera bastante polémica, mas no entanto não me vou abster de comentar. No outro dia, colegas minhas falavam de amamentação e, claro, falou-se de mulheres que não querem amamentar, por escolha. Uma escolha como qualquer outra, para mim. Para mim, porque para elas essas pessoas eram más mães, egoístas, etc., you name it. E eu fiquei calada, porque percebi que não se pode argumentar. Choca-me como se acham no direito de julgar pessoas que não conhecem só porque essas não querem amamentar. Estamos no séc. XXI, amamentar ou não é uma escolha de cada um e ninguém tem nada a ver com isso. Ninguém pense que é melhor porque o fez. Os vossos filhos não vão ser mais inteligentes, mais bonitos ou mais saudáveis por causa disso. Vão ser exactamente iguais aos outros. Vão só ter mães mais fundamentalistas.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

#654

Quando estou chateada no trabalho, a minha terapia é corrigir coisas no meu caderno. Pego na minha fita correctora e corrijo tudo o que esteja riscado e passo por cima a limpo. É fácil, barato e consigo uns momentos de paz.

#653


Adoro vestidos com bolsos.

#652

Apercebi-me há dias que carrego o mundo nos meus ombros. Literalmente, a minha mala pesa vários kgs e eu carrego-a todos os dias. Claro que já me tinha apercebido há mais tempo. Até porque quando pouso a mala no banco do passageiro do meu carro aquilo apita como se estivesse lá alguém sentado, por isso não era propriamente leve. Mas agora decidi tomar medidas. Primeiro, ver bem todos os bens que costumo carregar comigo e se são mesmo precisos. É verdade que na realidade só uso cerca de 20% do conteúdo da mala, mas e se precisar? Se precisar, tenho as coisas no carro ou no trabalho a partir de agora. A segunda medida foi trocar de carteira. Se usar uma carteira grande, vou ter sempre tendência a meter tudo lá para dentro. Agora vou esforçar-me para usar apenas malas pequenas de tiracolo até me habituar a andar com pouca coisa atrás de mim. Até estou a pensar comprar uma mala nova para me animar. E penso mudar também a carteira onde tenho os cartões, porque também é grande e vai ajudar na tendência de carregar coisas que não preciso. Tenho também de comprar uma carteira gira mas mais pequena. Estou empenhada nesta luta de parar de carregar 5 kgs atrás de mim todos os dias, sem necessidade. E vocês, também carregam um mundo de coisas inúteis nos ombros todos os dias?

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

#651

Ideias vencedoras: phones (dos pequenos, de meter nos ouvidos) com fio tipo cabo de telefone, em espiral, para não ficarem sempre todos emaranhados e não perdermos 10 minutos da nossa vida sempre que queremos usá-los. Alguém que fabrique para eu comprar, por favor.

#650


terça-feira, 6 de setembro de 2016

#649

E por falar em programas de culinária, porque é que sempre que deitam farinha a peneiram? Para que é isso de peneirar a farinha ou o açucar ou o fermento? Fica diferente de alguma forma?

#648

Não sou fã de programas de culinária, mas de vez em quando vejo alguns. Por puro entretenimento, porque nunca cozinho nada do que vejo. Descobri recentemente o senhor Rudolph. O Rudolph do Rudolphs' Bakery ou As Doces Iguarias de Rudolph. O que eu gosto no Rudolph é, primeiro que tudo, o seu sentido prático, coisa que não se costuma encontrar tanto nos cozinheiros portugueses. Lembro-me de um momento muito engraçado em que ele tinha uma convidada a cozinhar com ele e pediu-lhe para pincelar a massa com ovo batido. A convidada olha para o pincel e diz com ar admirado/incrédulo: 'Mas isto é um pincel de verdade. E grande...' Sim, ele não estava a usar um pincel de culinária, estava a usar um pincel de pintar madeira. E não tem nada de mal! Depois adoro que ele não desperdice nada. Ele não deita nada fora, aproveita restos de massa para fazer desenhos, se sobrar comida congela, etc.. Um exemplo: quando vejo outros programas de culinárias reparo que os ingredientes estão em pequenas taças de vidro, para ficar bonito. Quando é para os deitar na panela, deitam a quantidade que querem e o resto vai fora. Com o Rudolph não acontece isso. Ou ele já tem a quantidade exacta nas taças e usa tudo ou então pesa os ingredientes na hora, na balança. E por último, adoro ouvi-lo falar numa língua completamente ininteligível para mim. Então fico ali meia hipnotizada a vê-lo confeccionar sobremesas super calóricas que eu nunca vou fazer.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

#647

Semana passada fui a uma consulta médica que mais parecia uma anedota. Levei uns exames para o 'médico' ver, ele deu uma vista de olhos e depois disse: 'Olhe, Maat, não sei. Mas posso ver e dizer-lhe depois'. Mas ver, tipo na Wikipedia e depois mandar um email com o copy paste? É que se for isso eu também sei ver e não pago consulta, é grátis. Depois foi procurar qualquer coisa no computador (eu era gaja para jurar que foi na Wikipedia ou na Doctor Wiki lá dos médicos) e acrescentou: 'aqui diz que isso é normal em pessoas muito jovens, mas não diz qual a idade...' Passaram-me muitas coisas pela cabeça nesse momento. Ele para estar ali, tinha feito a especialidade, de certeza, mas não deve ter passado com distinção e deve ter copiado no exame por alguém, só pode. Se eu lhe tivesse feito uma pergunta de outra especialdiade que não a dele, compreendia, mas aquilo era uma coisa que ele devia saber. Via-se que ele percebia daquilo tanto como eu. Naquele momento, eu que nunca tinha discriminado médicos por serem jovens e terem acabado o curso há pouco temo, decidi que de futuro, antes de consultar um médico que não conhcesse já, iria procurá-lo na internet e só marcava consulta se ele tivesse no mínimo 10 anos de exepriência. Pagar para ir ver um tipo a procurar cenas na internet não, obrigada.

#646

Pessoas que vão jantar para a baixa do Porto, a um sábado à noite, a partir das 21h, sem reserva.

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

#645


Notícia: Cores e filtros usados no Instagram podem revelar indícios de depressão


'Segundo uma investigação da Universidade de Harvard(...)'




As pessoas dedicam tempo a investigar as cores que as pessoas usam no Instagram. Pessoas de Harvard. Não sei se ria, se chore. Nem se é indicação da evolução dos tempos ou de demasiado tempo livre.

#644

Quase todos os huskies siberianos que conheci até hoje se chamavam Óscar. Haverá algum husky que não se chame Óscar? Conhecem algum? É como os peixes, também são todos Óscar. Está visto que Óscar é um nome bom para animais.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

#643


#642

Granola = nome mais chique e actual para muesli


(no fundo, isto é serviço público para os ignorantes em matéria de sementes como eu)

#641

Gosto de levar os carros à revisão na marca porque controlam os problemas de forma proactiva. Quando eu ia ao mecânico da esquina, ele limitava-se a mudar o óleo e a meter uns filtros novos. Mas não vê mais nada. Já aconteceu eu levar o carro à revisão e a ter a embraiagem toda empenada e eles ignorarem. Trocam o óleo e mandam o carro embora alegremente. Nas marcas, eles têm não sei quantos pontos de controlo que vêm e avisam caso seja preciso trocar alguma coisa. É óbvio que é mais receita a entrar para eles no caso de ser preciso trocar peças, não vamos acreditar que é só para o nosso bem, mas acho uma boa política. E é claro que depois fico chateada quando me dizem que afinal é preciso trocar os discos de travão e são mais 300 euros. Mas ao menos não descubro eu mais tarde, a conduzir, quando o carro já não trava nada e estou numa curva a caminho de um rail.
Fico mais tranquila a levar o carro à revisão lá, o que também não quer dizer que não possa acontecer algo, mas pelo menos sei que o que pode ser previsto, foi. Mas no dia da revisão também costumo rezar o dia todo para não receber nenhuma chamada antes do fim do dia. Se me ligarem antes, já sei que vou despesa extra.